Aliados do governo rejeitaram, há pouco, mais um requerimento da oposição, que propunha o adiamento da votação do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), contrário à admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer pelo suposto crime de corrupção passiva. A denúncia foi apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Foram 251 votos pela rejeição do requerimento e apenas 6 a favor da aprovação. Concluída a votação do requerimento, já haviam marcado presença, em plenário 346 deputados, quórum maior do que o mínimo exigido de 342 deputados para o início da votação do parecer da CCJ. Com isso, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deu início ao processo de encaminhamento da votação do parecer sobre a denúncia. LEIA MAIS: - Câmara aprova requerimento que encerra discussão sobre denúncia contra Temer Dos 513 deputados, já estão na Câmara pelo menos 463, quórum considerado alto para a votação. Desde o inicio das discussões do processo de votação da denúncia, parlamentares oposicionistas vêm defendendo a votação somente com a presença de mais de 450 deputados no plenário. Para que a Câmara rejeite a admissibilidade da denúncia e não autorize o Supremo Tribunal Federal a investigar o presidente da República, são necessários os votos de pelo menos 172 deputados favoráveis ao parecer da CCJ. Para que o STF inicie a investigação sobre a denúncia, são necessários no mínimo 342 votos contrários ao parecer da CCJ. *Com informações da Agência Brasil