Mesa Diretora admitiu o erro e decidiu pelo arquivamento do projeto
Foto Ewaldo Willerding

Mesa Diretora admitiu o erro e decidiu pelo arquivamento do projeto Foto Ewaldo Willerding

A Mesa Diretoria da Câmara de Vereadores de Florianópolis decidiu arquivar o Projeto de Resolução 2131/2018, que previa o aumento na verba de gabinete dos seus vereadores, bem como a alteração no número máximo de assessores.

O presidente Guilherme Pereira (MDB), junto comm Roberto Katumi (PSD), Gabriel Meurer (PSB), Claudinei Marques (PRB) e Edinon Manoel da Rosa (MDB), todos m aos membros da Mesa, decidiram pelo o arquivamento do projeto diante da forte repercussão negativa da proposta.

O presidente Guilherme Pereira reconheceu que foi uma medida equivocada e que em nenhum momento teve a intenção de faltar com respeito à sociedade e até mesmo com a cidade.  “A intenção foi tentar atender uma demanda dos vereadores, mas sem infringir a lei ou até mesmo faltar com respeito à população”, disse Pereira.

O presidente da Câmara lembrou, ainda, que este ano a Casa devolveu R$ 6,4 milhões ao poder executivo por conta de economias na Casa. “A devolução ao Executivo foi justamente pensando no bem da população. Na melhoria da Saúde, Educação, Segurança, Cultura, Obras e Saneamento Básico”, completou Gui Pereira.

“Reconhecemos que erramos e que vamos continuar trabalhando para reduzir ainda mais as despesas do Legislativo”, admitiu o presidente da CMF.

O projeto gerou críticas fortes se setores da sociedade. A CDL e a ACIF se posicionaram publicamente contra a proposta que previa 15% de aumento da verba para a contratação de assessoria nos gabinetes.

O valor passaria de R$ 20 mil para R$ 23 mil mensais e os vereadores poderiam contratar no máximo 12 assessores – hoje o limite é de 10. O impacto anual do aumento de gastos seria de R$ 828 mil nas contas da Câmara de Vereadores.