Por Verônica Lemus A pedido do líder de governo na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, Marcelindo Gruner (PTB), dois projetos foram incluídos na pauta da sessão de terça-feira (9). Uma matéria tratava do reajuste salarial dos servidores da Casa prevendo reposição da inflação (INPC) no período de abril de 2016 a março de 2017, da seguinte forma: reajuste de 3% a partir de 1º de abril e 2% a partir de 1º de junho. A matéria teve o voto contrário do vice-presidente da mesa diretora, Anderson Kassner (PP). Já o projeto das bolsas de estudo liberou auxílio financeiro mensal para o custeio de um curso de graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado por servidor, até o valor da mensalidade e da taxa de matrícula, limitado ao máximo de cerca de R$ 523, correspondente a três UPMs (Unidade Padrão Municipal). Para servidor com jornada de trabalho inferior a 30 horas semanais, será concedido até 50% do benefício. A matéria foi aprovada por unanimidade. As aprovações vêm em hora complicada já que no mês passado a Câmara votou favorável a cortes significativos em benefícios dos servidores públicos da Prefeitura, o que gerou uma greve que se arrastou por um mês e paralisou serviços municipais. O funcionalismo também não recebeu reajuste salarial, nem mesmo a reposição da inflação. Kassner justificou o voto contrário ao projeto justamente por essa questão. O vereador considerou injusto conceder o benefício a uma parte dos servidores municipais enquanto os outros não conseguiram acordo. Ainda na mesma sessão, os vereadores derrubaram 8 votos a 2 o veto total do prefeito Antídio Lunelli ao projeto de lei nº 61/2017, que dispõe sobre o auxílio-alimentação dos servidores do Poder Legislativo jaraguaense, fixando o benefício em R$ 330,00. Os votos favoráveis ao veto foram dos vereadores Anderson Kassner (PP) e Arlindo Rincos (PSD). Confira mais informações na Coluna Plenário: Vereadores de Jaraguá do Sul aprovam benefícios para servidores da Casa