O Brasil foi ultrapassado pela Argentina e caiu para 6º no Índice de Capacidade de Combate à Corrupção (CCC), ranking que mede a capacidade dos países latino-americanos de detectar, punir e prevenir a corrupção. As informações são do portal G1.

O levantamento é feito pela Americas Society/Council of the Americas e pela Control Risks, que avaliam e classificam os países com base na eficácia com que podem combater a corrupção

Dos 15 países no estudo, cinco registraram quedas significativas. Entre as maiores baixas, estão Brasil e México - as duas maiores economias da região.

O Brasil foi o país com a maior queda na pontuação, e sua nota regrediu de 5,52 para 5,07. Em 2019, o Brasil era o 2º do ranking.

O Índice CCC é dividido em três categorias: capacidade legal; democracia e instituições políticas; e sociedade civil e mídia.

São analisadas 14 variáveis, incluindo a independência das instituições jurídicas e a quantidade de recursos disponíveis para combater crimes de colarinho branco.

No caso em particular do Brasil, a nota mais fraca é na categoria "democracia e instituições políticas" (4,16) e a melhor, em "sociedade civil e mídia" (6,34).

Segundo o estudo, na categoria "capacidade legal" o Brasil "teve declínios na independência de suas agências anticorrupção e do Ministério Público".

O documento aponta ainda que "as investigações sobre corrupção transnacional também perderam ímpeto, e a operação Lava Jato foi desmantelada em fevereiro de 2021".

"A única melhora na capacidade legal do Brasil foi um ligeiro aumento da independência judicial, graças a iniciativas recentes para reforçar a separação entre poderes", diz o estudo.

Pelo 2º ano seguido, o Uruguai foi o país com a pontuação mais alta no Índice CCC (7,80 pontos em uma escala que vai de 0 a 10). A Venezuela ficou com a pior nota das 15 nações analisadas (1,40).

Veja o ranking:

  1. Uruguai (7,80)
  2. Chile (6,51)
  3. Costa Rica (6,45)
  4. Peru (5,66)
  5. Argentina (5,16)
  6. Brasil (5,07)
  7. Colômbia (4,81)
  8. Equador (4,77)
  9. Panamá (4,55)
  10. República Dominicana (4,38)
  11. México (4,25)
  12. Paraguai (4,08)
  13. Guatemala (3,84)
  14. Bolívia (2,43)
  15. Venezuela (1,40)