Após denúncia, Prefeitura de Joinville cria grupo de trabalho para fiscalizar contratos

Foto: Prefeitura de Joinville

Por: OCP News Joinville

06/03/2023 - 17:03 - Atualizada em: 06/03/2023 - 17:41

O prefeito de Joinville, Adriano Silva, participou de uma reunião entre a Secretaria de Gestão de Pessoas e o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região (Sinsej), na tarde desta segunda-feira (6).

Na ocasião, ele aproveitou para conversar com a presidente do sindicato, Jane Becker, que sofreu uma ameaça na semana passada.

 

 

“Fiz questão de manifestar pessoalmente minha solidariedade para a Jane e o meu repúdio à ameaça que ela recebeu. Atos de intimidação e de violência não devem ser tolerados”, afirma Adriano.

Na presença do gestor da Secretaria de Proteção Civil e Segurança Pública (Seprot), secretário Paulo Rogério Rigo, o prefeito ofereceu o suporte do Núcleo de Inteligência da Seprot caso a dirigente julgue necessário.

“Também aproveitei a oportunidade para comunicar que criamos um grupo de trabalho para capacitar os fiscais dos contratos da Prefeitura de Joinville sobre as questões relacionadas com a saúde dos trabalhadores nos serviços prestados por empresas terceirizadas”, afirma o prefeito.

O grupo de trabalho é coordenado pela Secretaria de Governo, ligada diretamente ao Gabinete do Prefeito, e conta com integrantes das secretarias de Administração e Planejamento, Gestão de Pessoas, Comunicação, Infraestrutura Urbana, Saúde e Educação, além da Procuradoria e da Controladoria. Caso necessário, representantes de outras secretarias serão convocados.

A criação do grupo de trabalho se deu menos de uma semana após a Prefeitura de Joinville tomar conhecimento, por meio de denúncia feita do Sinsej à imprensa, sobre a possível falta de condições de trabalho em uma obra que estava sendo realizada por uma empreiteira terceirizada no Centro de Bem Estar Animal.

Imediatamente, a Secretaria de Meio Ambiente notificou a empresa, solicitou informações detalhadas sobre o trabalho e determinou a paralisação da obra. A prefeitura também se colocou à disposição do Ministério Público do Trabalho para o fornecimento dos dados e dos documentos necessários.