Adriano Silva fala sobre diversos temas em entrevista ao Programa Pânico

Foto: Reprodução

Por: OCP News Joinville

20/09/2023 - 19:09 - Atualizada em: 20/09/2023 - 19:48

O prefeito de Joinville, Adriano Silva, foi um dos convidados do Programa Pânico, da Jovem Pan, nesta quarta-feira (20).

Durante a entrevista, o mandatário joinvilense tocou em diversos temas e falou, também, sobre seus índices de aprovação.

 

 

Ele destacou que a pesquisa do Instituto Mapa, no primeiro ano de mandato, apontou 88% de aprovação. Conforme Silva, ele acreditou que o índice poderia ser fruto, também, de uma empolgação inicial pelo trabalho diferente que estava sendo feito.

“Mas aí, quando veio o segundo ano, com 92%, eu fiquei, obviamente, muito feliz com o resultado”, disse

Processo seletivo

O prefeito contou no programa que, ao assumir o mandato, realizou um processo seletivo para a escolha dos ocupantes dos cargos comissionados.

“Eu nunca participei da política, eu sou empresário, entrei por indignação, por querer fazer diferente. Então, fiz um processo seletivo para conhecer e contratar as pessoas. Nós tivemos 22 mil inscritos”.

Silva pontuou que é preciso colocar pessoas técnicas na administração pública. “Na maioria das vezes, são montados grupos, na Prefeitura ou nos governos estadual e federal, por questões meramente políticas”, disse.

Ele também afirmou que 60% dos cargos comissionados da Prefeitura de Joinville são ocupados por funcionários de carreira que ainda não haviam recebido uma oportunidade de atuar como gerentes ou coordenadores.

 

Pandemia

Outro assunto tratado no programa foi a gestão municipal durante a pandemia, e Silva destacou que não houve lockdown.

“Nós organizamos o fato de como executar isso tudo, mas, por outro lado, o PIB da cidade cresceu 10,3% em 2021. Nós aumentamos a capacidade da saúde, tivemos mais de 200 UTIs montadas na cidade, mas também garantimos a empregabilidade.”

Ao falar sobre a pandemia, Silva enalteceu o trabalho dos profissionais da saúde e disse que foi feito um painel em homenagem a eles. “Eles foram verdadeiros heróis, seguraram a bronca. Nós tivemos muitas pessoas em estado grave e todas foram atendidas”, disse o prefeito.

“Brasil está penalizando os municípios”

Adriano Silva também comentou a situação do Hospital São José para criticar a forma como os recursos são repassados no Brasil.

“Nós somos uma cidade metropolitana e temos um hospital municipal. Este hospital é pago por Joinville, mas 30% do atendimento é feito a pessoas de fora. Eu tenho 1,5 mil servidores dentro do hospital, mas desde 2008 a Tabela SUS não é ajustada no Brasil.”

Conforme Silva, o IPTU inteiro arrecadado em Joinville não seria suficiente para cobrir a folha de pagamento do hospital.

“Aí você vai dizer: ‘o hospital está caro’. Não está caro, está adequado ao tamanho da população que ele atende. O problema é que, hoje, a forma de financiamento no Brasil está errada. O Brasil está penalizando os municípios, diferentemente de vários outros países. Na Alemanha, um terço da arrecadação fica no municípios, e no Brasil só 14% fica nos municípios”, explicou.

Fiscalização eletrônica

A recente instalação de equipamentos de fiscalização eletrônica também esteve na pauta do programa.

O prefeito, porém, destacou que os investimentos foram feitos de forma privada, já que a fiscalização eletrônica é uma concessão.

“Ninguém gosta de ser fiscalizado, eu não gosto de ser fiscalizado. Mas eu sou bombeiro voluntário e nós vimos um aumento de acidentes graves acontecendo porque ficamos dois anos sem radares. Os radares já existiam, mas a concessão terminou e teve de ser novamente licitado, mas o processo foi judicializado e ficou dois anos parado”, disse.

De todo modo, Silva disse que foi proibido colocar radares em locais escondidos. “Inclusive, eles são totens bem grandes, coloridos, para que as pessoas identifiquem. A ideia não é fazer uma fábrica de multas, mas diminuir a velocidade e trazer segurança ao trânsito.”

Silva ressaltou que os acidentes param no SUS, então, se uma pessoa for irresponsável, todos vão pagar a conta. “Hoje, o hospital que a gente administra está lotado, na maioria das vezes, devido à irresponsabilidade no trânsito.”

 

Bombeiros Voluntários

O prefeito também aproveitou sua participação no programa para defender os Bombeiros Voluntários.

“Este modelo dos Bombeiros Voluntários de Joinville tem 127 anos de história. Ele veio da tradição dos alemães e suíços, que, quando não tinha o Corpo de Bombeiros Militar, foram lá e montaram os bombeiros.”

Silva também afirmou que há um lobby militar muito grande “para que eles venham a assumir essas corporações”.

“Porque, óbvio, eles teriam a arrecadação das vistorias e assim por diante. Então, estamos sempre em uma constante defesa jurídica para legitimar um trabalho que, hoje, no mundo, é exemplar”, disse Adriano Silva.

 

Relação com outros governos

Ao longo da entrevista, o prefeito de Joinville também falou sobre sua colaboração com outros governos, incluindo o de Santa Catarina.

“A minha relação com o governador Jorginho Mello, que é do PL, é muito boa. Ele, inclusive, tem me ajudado a fazer o primeiro convênio lá no Hospital São José, para dividir um pouco as contas do hospital e ajudar a cidade de Joinville”.

Além disso, em relação ao governo federal, Silva disse que está tentando junto ao Ministério da Saúde levar o método Wolbachia a Joinville para o combate à dengue.

A entrevista foi ao ar na tarde desta quarta-feira (20) e rendeu muitos comentários positivos nas redes sociais.