O Tribunal Especial de Julgamento está analisando o pedido de impeachment do Governador afastado de SC, Carlos Moisés da Silva (PSL) em sessão de julgamento no plenário da Assembleia Legislativa.

Moisés é acusado de crime de responsabilidade ao conceder a equiparação salarial dos procuradores do Estado aos seus colegas da Alesc.

 

 

A sessão é presidida pelo desembargador Ricardo Roesler e o tribunal é composto por cinco deputados e cinco desembargadores.

Se for considerado culpado por sete dos 10 membros do tribunal, ele perderá o cargo em definitivo. Se foi absolvido, volta na segunda-feira (30) ao Centro Administrativo. Em caso de empate, Roesler dará o voto decisivo.

Acompanhe ao vivo

Quem compõe o tribunal

Deputados

  • Laercio Schuster (PSB)
  • Luiz Fernando Vampiro (MDB)
  • Kennedy Nunes (PSD)
  • Maurício Eskudlark (PL)
  • Sargento Lima (PSL)

Desembargadores

  • Claudia Lambert
  • Rubens Schulz
  • Sérgio Rizelo
  • Carlos Alberto Civinski
  • Luiz Felipe Siegert Schuch.

A acusação

Apresentada pelo defensor público Ralf Zimmer Júnior, a denuncia atingiu inicialmente o governador Carlos Moisés; a vice, Daniela Reinehr, e o ex-secretário de administração, Jorge Tasca. Como Tasca pediu exoneração, foi retirado do processo. Daniela foi retirada do processo em fase anteriores.

A acusação é de que os Moisés cometeu crime de responsabilidade ao conceder reajuste salarial dos procuradores do Estado, em outubro de 2019, visando à equiparação com os salários dos procuradores da Alesc.

Zimmer Júnior argumenta que o reajuste foi concedido de forma ilegal, sem autorização legislativa, por meio de procedimento administrativo sigiloso.

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp