Abril Azul: Deputado chama atenção para diagnóstico tardio de TEA

Foto: Freepik

Por: Pedro Leal

03/04/2024 - 16:04 - Atualizada em: 03/04/2024 - 16:46

O deputado Dr. Vicente Caropreso (PSDB) foi à tribuna, nesta terça-feira (2) para destacar o início do mês Abril Azul, voltado à conscientização da sociedade sobre temas ligados ao Transtorno do Espectro Autista (TEA).

De acordo com o parlamentar, cada vez mais pessoas têm sido diagnosticadas com o transtorno, especialmente na infância, o que representa um desafio para a manutenção do atendimento prestado pelo poder público.

“Vivenciamos um crescimento exponencial do diagnóstico do TEA aqui em Santa Catarina e também no Brasil, algo que vem desafiando autoridades. Desse jeito, temos que criar e aperfeiçoar as políticas públicas. Não é uma questão de uma secretaria ou outra, é uma questão de política de Estado de enfrentamento.”

Autismo tardio

O parlamentar chamou a atenção sobre o diagnóstico do autismo em adultos.

Conforme o deputado, enquanto muito tem sido feito no que diz respeito ao diagnóstico precoce em crianças, a falta de protocolos claros para adultos pode ser uma lacuna significativa nos sistemas de bem-estar e saúde.

“A falta de conhecimento sobre o autismo em adultos pode levar a diagnósticos equivocados. Muitas vezes acaba sendo confundido com outras coisas, com outros transtornos mentais, e aí vêm vários diagnósticos errados, deixando muitos pacientes à deriva em um mar de incertezas.”

A dificuldade de interação social, interesses muito específicos e comportamentos repetitivos podem ser indícios de autismo em adultos, incluindo até depressão com risco de suicídio.

“Para um diagnóstico preciso é fundamental consultar um psiquiatra ou neurologista, com o acompanhamento de um psicólogo. É uma questão multidisciplinar.”

Pensão especial

O deputado também destacou a efetivação da legislação de sua autoria que garante à pessoa com autismo de nível 3, o mais severo, o direito de receber pensão especial no valor de um salário mínimo do governo catarinense. A Lei 18.557 foi regulamentada no início do ano passado e mais de uma centena de catarinenses já garantiram o benefício.

Centros de referência

Dr. Vicente também reivindica ao governo do Estado a implantação de Centros de Referência no Transtorno do Espectro do Autismo, como já ocorre em outros estados.

Conscientização sobre o autismo

Presidente da Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Dr. Vicente também destacou o trabalho do colegiado para levar conhecimento sobre ao autismo às várias regiões do Estado.

“Nossa comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência realiza diversos eventos e seminários regionais para levar informação de qualidade, conhecimento sobre o autismo, por todos os cantos do nosso estado. Fazemos isso em parceria com prefeituras, Amas e Apaes.”

São palestras ministradas por profissionais altamente experientes e qualificados, o que enriquece significativamente o currículo dos participantes e promove a conscientização para melhorar a qualidade de vida das pessoas com autismo.