Neste momento da guerra contra a Covid-19, torcemos para que as vacinas cheguem logo.

São centenas de laboratórios com milhares de cientistas trabalhando no desenvolvimento ou de medicamentos que possam controlar a replicação do vírus no organismo ou na produção de vacinas - 160 destas estão sendo trabalhadas no mundo todo. Três das vacinas que obtiveram bons resultados nas duas primeiras fases da experiência, foram aprovadas pela ANVISA e estão tendo sua terceira e definitiva fase de testes clínicos aqui no Brasil.

São elas:

  • Vacina desenvolvida pela empresa farmacêutica britânica AstraZeneca em parceria com a Universidade Oxford, testando 2.000 voluntários no hospital da Unifesp e 1.000 voluntários recrutados pelo instituto D’or de Pesquisa e Ensino, do Rio de Janeiro.
  • Vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac com os testes coordenados pelo Instituto Butantã, testando 9.000 profissionais de saúde em São Paulo;
  • Vacina desenvolvida pela empresa farmacêutica americana Pfizer em parceria com a empresa alemã BioNTech, testando voluntários em São Paulo, no CEPIC - Centro Paulista de Investigação Clínica, e na Bahia, na Instituição Obras Sociais Irmã Dulce.

Essas notícias são muito boas, entretanto não poderemos contar com vacinação em massa tão cedo. Mesmo se o resultado dos testes for positivo, provavelmente só a partir do ano que vem teremos doses suficientes para começar a vacinação de parte da população.

Por enquanto, a única vacina que temos para evitar a doença é a atitude responsável e, se o contágio seguir aumentando, é por conta da falta de prevenção pelas pessoas.

Por isso, é dever de cada um contribuir para o controle da contaminação seguindo as regras sanitárias básicas de prevenção.

Usar sempre a máscara quando estiver fora de casa, manter o distanciamento social e tomar cuidado com a higiene das mãos é responsabilidade de todos e de cada um de nós.

A pandemia não é uma campanha política, o coronavírus mata!

Faça a sua parte!