Pioneira no Sul do Brasil, empresa de cannabis medicinal explica como funciona o tratamento

Foto: Getty Images

Por: Maria Luiza Venturelli

29/11/2022 - 09:11

Ainda pouco conhecida no Brasil, a Cannabis medicinal é regulada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2015. A regulamentação foi estabelecida devido à pressão de familiares que buscavam soluções para o tratamento de seus filhos que sofriam de crises epiléticas, autismos severos, entre outras enfermidades. A agência permite a importação dos medicamentos, que são prescritos por profissionais da saúde, como médicos e dentistas. Desde 2015 milhares de brasileiros estão se beneficiando com este tratamento que promete revolucionar a medicina.

A empresa CBfarma é pioneira em Cannabis medicinal em Santa Catarina, com sede em Jaraguá do Sul e Itajaí. Em 2022, a empresa já atendeu mais de mil pacientes de várias regiões do Brasil. A fabricação dos produtos é feita nos Estados Unidos, com certificação do Food and Drug Administration (FDA), a linha de produtos foi desenvolvida exclusivamente para atender o mercado brasileiro e possui autorização da ANVISA para comercialização.

Foto: Getty Images

De acordo com o Diretor Executivo da empresa, Bruno Viviani, a Cannabis é uma planta de uso milenar, existem registros da sua utilização desde 400 a.C. para o tratamento de mais de 100 enfermidades. Mais de 50 países já regulamentaram o uso medicinal, como o Canadá e EUA, onde o mercado está bastante avançado e a tendência é o Brasil seguir neste modelo, contribuindo com tecnologia e estudos científicos. Em 2020 a ONU também reconheceu as propriedades terapêuticas da planta e a retirou da lista de substâncias perigosas.

“Atualmente no Brasil, o número de pacientes e profissionais da saúde utilizando este tratamento vem aumentando ano a ano. Cerca de 200 mil pessoas utilizam medicamentos de Cannabis e aproximadamente três mil médicos usam essa opção em diversas condições clínicas. Estamos no começo desta revolução na medicina, vai vir muita novidade sobre este assunto nos próximos anos, o maior desafio é repassar esse conhecimento científico para os profissionais da saúde e pacientes.” Explica.

A repercussão do assunto no Brasil está em alta, já existem diversos relatos e reportagens mostrando os benefícios do tratamento. Um exemplo é o caso da pequena Anny Fischer, portadora da síndrome CDKL5, problema genético raro que causa epilepsia grave e convulsões. Ela teve a vida mudada com o uso de medicamentos de Cannabis e o caso é ilustrado no filme “Ilegal”.

Foto: Getty Images

O Brasil também virou referência no assunto nos anos de 1970, quando o médico Elisaldo Carlini, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), estudou os benefícios da planta e publicou diversos trabalhos que contribuíram com a evolução do tratamento.

O que é cannabis medicinal?

A diretora técnica e sócia da empresa, Bárbara Schmelzer, é pesquisadora do tema e conta que o processo de fabricação dos medicamentos de Cannabis são similares ao de qualquer outro fitoterápico disponível no mercado.

“Diferente do uso recreativo ou social, os produtos para fins medicinais são fabricados como qualquer outro fitoterápico existente. Desde o processo de cultivo ao envasamento do óleo, a fabricação passa por controles de qualidade e certificados de análises laboratoriais, garantindo a segurança no uso e conhecimento das substâncias em cada lote fabricado. Com isso, profissionais da saúde conseguem manejar o tratamento de forma adequada e segura”, conta.

Foto: Getty Images

De acordo com a farmacêutica, o responsável por todos os efeitos terapêuticos é o sistema endocanabinoide. Da mesma maneira que nosso organismo possui o sistema nervoso e respiratório, também possui um sistema que produz endocanabinoides, ou seja, substâncias muito parecidas com as encontradas na planta, dentro do nosso corpo. Esse sistema é responsável por encontrar o equilíbrio interno, entrando em ação quando algum processo do corpo está desregulado.

Hoje sabe-se que muitas doenças estão relacionadas diretamente com o desequilíbrio do sistema endocanabinoide. É então que a suplementação com canabinoides exógenos, que vem da planta, é tão necessária. Os fitocanabinoides, como o canabidiol (CBD) e o tetrahidrocanabinol (THC) mimetizam a ação dos endocanabinoides no nosso organismo.

Assim, se torna mais simples entender porque a Cannabis auxilia no tratamento de tantas doenças. O CBD tem propriedades ansiolíticas, antidepressivas, antiepilépticas, além de ser um poderoso antioxidante e também possuir um poder anti-inflamatório superior à hidrocortisona, principal corticosteroide. Sendo assim, é indicado para várias doenças neurológicas, como Alzheimer, Parkinson, Epilepsia e Autismo, além de ser amplamente indicado para a saúde mental e também em doenças inflamatórias crônicas, como as autoimunes.

O THC, principal componente psicoativo da planta, também é extremamente medicinal e seguro, se utilizado com acompanhamento médico. Já existe uma extensa literatura científica confirmando o alto poder de analgesia desse canabinoide, principalmente em dores crônicas de origem neuropática e resistentes aos opioides. Além disso, é muito indicado para o tratamento da esclerose múltipla, insônia e para o cuidado paliativo de pacientes oncológicos e acamados.

Mais sobre a CBfarma

Jonathan Zehnder Cancelier, Bárbara Schmelzer e Bruno Viviani, diretores da CBFarma.

Os diretores da empresa, Bruno Viviani e Jonathan Zehnder Cancelier, contam que a ideia da empresa surgiu em 2021, quando a Anvisa ampliou a regulamentação para venda em farmácias e drogarias.

“Começamos a estudar a regulamentação e mercado em 2021, com ajuda de empresas especializadas de fora do Brasil, onde o mercado já estava mais maduro. Também contratamos um ex-diretor da Anvisa para suporte. Visitamos diversos laboratórios até encontrar medicamentos qualificados e quando fizemos as primeiras importações, dentro de um projeto social com pacientes e médicos de Jaraguá do Sul, o resultado nos impressionou de uma forma inexplicável”, relembra Jonathan.

A vontade de investir no projeto foi alavancada quando os diretores passaram a observar de perto alguns casos em que o tratamento com Cannabis poderia fazer uma grande diferença.

“Temos vários relatos que nos chocou, desde epilepsia a crises de ansiedade. Um dos relatos é de uma menina de 27 anos que sofria desde pequena com crises convulsivas, cerca de sete crises por dia, o que limitava totalmente a vida dela e de seus familiares. A mãe nos contou que tentou mais de 10 tratamentos diferentes e somente após o uso do canabidiol as convulsões foram controladas. Este e vários outros relatos similares, fez com que quebrássemos qualquer preconceito e isso foi o suficiente para investirmos no projeto” conta Bruno.

Foto: Getty Images

Desde então, a CBfarma vem recebendo relatos incríveis de pacientes com doenças refratárias, crises de ansiedade e diversas outras. A união entre os dois engenheiros e a farmacêutica resultou no empreendedorismo e na criação da empresa, que atualmente realiza mais de duas mil visitas mensais aos médicos, levando informação qualificada, discutindo estudos clínicos e novidades do mercado.

“Temos um ecossistema de médicos que são especialistas no sistema endocanabinoide em constante crescimento. A procura pelos pacientes fez com que a classe médica buscasse informações e especializações no tema, com isso, desenvolvemos uma plataforma de educação continuada, aulas online e representantes para dar apoio a todos os prescritores”, explicam os diretores.

Atualmente a empresa possui uma linha de seis medicamentos que são importados para cada paciente dos Estados Unidos, a importação leva cerca de 15 dias. “A expectativa é de lançarmos mais 10 formulações em 2023, entre elas, três devem ser vendidas a pronta entrega no Brasil. Das formulações em desenvolvimento, iremos lançar uma linha dermatológica e outra voltada ao uso veterinário, que aguarda regulamentação”, complementa Bruno.

Foto: Getty Images

Pioneira em Cannabis medicinal no Sul do Brasil, a empresa busca ampliar as operações em todo o território nacional, com o objetivo de ser referência no assunto e trazer acessibilidade para toda população. No planejamento, está o desenvolvimento de estudos clínicos em parceria com algumas instituições e fabricação em solo nacional dentro dos próximos anos.

Para iniciar o tratamento é necessária uma avaliação por profissionais da saúde, como médicos e dentistas. Com a receita em mãos, o paciente pode entrar em contato com a empresa que cuida de todo o processo de importação do medicamento. O prazo de entrega é cerca de 15 dias até chegar diretamente na casa do paciente. O preço do tratamento varia de acordo com a indicação clínica, podendo custar entre R$ 100 a R$ 600 mensais.

Onde encontrar

Acesse o site cbfarma.com.br e Instagram @CBfarma. Entre em contato através do WhatsApp (47) 9 9611-4097.

Notícias no celular

Whatsapp

Maria Luiza Venturelli

Jornalista apaixonada por contar histórias inspiradoras, formada pela Faculdade Ielusc