A geração de nossos avós e bisavós passou por duas guerras mundiais que mataram cem milhões de pessoas e sobreviveu à Gripe Espanhola que fulminou outros cinquenta milhões.

As guerras mundiais e aquela pandemia não só mataram milhões, como provocaram racionamento de alimentos, de energia, de medicamentos, de roupas e de dinheiro.

Milhões de famílias, países inteiros ficaram trancados em suas casas, suportando uma enorme depressão econômica, sofrendo com a escassez de produtos básicos para a sobrevivência.

Hoje estamos vivendo mais uma pandemia, muito similar àquela vivida por nossos avós, com a diferença que temos a nosso favor uma ciência muito mais avançada e tecnologias de comunicação e informação que permitem a rápida difusão de informação entre cientistas e nações e que também servem para alertar a população sobre as regras sanitárias necessárias para reduzir a contaminação.

Estamos em guerra contra um inimigo que ataca qualquer um, independentemente de sua nacionalidade, sexo, religião, cor ou ideologia política e mesmo assim vemos pessoas queixando-se por ter de usar máscaras e recusando-se a seguir normas simples de prevenção, agindo como crianças mimadas.

Nossos antepassados teriam vergonha de nós.

Esta guerra só ainda não acabou porque muitos não obedecem as regras do combate.

Ver pessoas sem máscaras fazendo festas, se aglomerando, andando pelas ruas, pedalando, correndo, espalhando o vírus pelo ar, nos mostra que existe gente lutando do lado do inimigo, sem fazer o menor sacrifício pelo bem-estar da comunidade.

O egoísmo e a irresponsabilidade são os vírus que precisamos combater para vencer o coronavírus.

Vamos seguir o exemplo de nossos antepassados e suportar a carga de responsabilidade que se exige de cada indivíduo em nome do bem coletivo.

Cuidar cada um de si mesmo é cuidar de todos. Se cada um se conscientizar e seguir as regras, venceremos rapidamente esta guerra.

Lute do lado da prevenção e ajude a salvar vidas!