Foto divulgação | Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.
Foto divulgação | Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.

Levantamento realizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) mostra que o fundo de aval, mecanismo que facilita o acesso ao crédito para capital de giro das empresas catarinenses, está beneficiando os pequenos empreendedores que buscam o recurso para enfrentamento da pandemia. Os dados consolidados pela área técnica do banco indicam que dos R$ 64,5 milhões já liberados ou em processo de liberação, 80% - aproximadamente a R$ 51,5 milhões – estão sendo disponibilizados sem a necessidade de garantia real.

“É uma facilidade enorme para quem busca suporte financeiro neste momento já que não é necessário empenhar um imóvel como garantia, como seria normal em operações de crédito deste porte”, explica o Diretor-Presidente Marcelo Haendchen Dutra.

Esse suporte facilita as operações entre R$ 20 mil e R$ 80 mil, destinadas para micro e pequenas empresas, com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões. Outro diferencial positivo da linha de crédito é a carência. O prazo para início do pagamento das parcelas é de 18 meses. O esforço do BRDE para viabilizar capital de giro aos empreendedores catarinenses faz parte do programa Recupera Sul SC, e destina R$ 100 milhões de recursos próprios do banco para proteger negócios e empregos durante a fase mais crítica da crise.

O acesso facilitado à linha emergencial de crédito foi possível graças as parcerias firmadas com o com Sebrae e Cooperativas de crédito, que atuam de forma indireta nas operações e descentralizam o recurso disponível, de forma a abranger um número maior de clientes e cidades. A primeira fase do projeto, finalizada em maio, atendeu 389 empresas de 81 municípios das seis mesorregiões do Estado.