Uma pesquisa divulgada pela Polícia Militar de Jaraguá do Sul mostrou que a Avenida Waldemar Grubba é a via com maior incidência de acidentes na cidade. Segundo o relatório, 9,8% das colisões registradas na cidade no ano passado aconteceram na via – foram 336 acidentes no período, mais do que o dobro da segunda colocada no ranking, a Rua José Teodoro Ribeiro, que registrou 159 ocorrências. No total, o município contabilizou 3.407 acidentes e sete mortes no trânsito em 2015. Segundo avaliação do diretor de trânsito de Jaraguá do Sul, Rogério Kumlehn, a configuração e a importância da via são dois fatores que contribuem consideravelmente para o problema. “Esta é a avenida com maior fluxo da cidade, pois ela liga diversas localidades. Por ela trafegam diariamente uma média de 43 mil veículos, o que por si só já aumenta as chances de acidente. Outra questão é que por conta da estrutura da via, os motoristas tendem a abusar no excesso de velocidade”, explica o diretor. O profissional da construção civil Marcos Aurélio, de 31 anos, que passa frequentemente pela Waldemar Grubba, diz ter expectativas de que, com a inauguração do viaduto, o movimento passe a ser menos intenso na região, mas destaca a importância de aumentar a sinalização em locais de saída, retorno e cruzamento de veículos. “É muita confusão”, comenta. Os moradores da região, Karla Faria, de 21 anos, e João Matias, de 23, pedestres, percebem que há muita falta de atenção entre os motoristas. “Às vezes, um motorista para, mas o outro não vê porque está distraído ou mexendo no celular. É pura falta de atenção”, relata João. “Já vimos vários acidentes e até já acordei com o barulho de batidas a noite”, complementa Karla. Karla e João Av Waldemar Grubba - em

Moradores da região, Karla Faria e João Matias, flagraram motoristas desatentos na via

Para amenizar a situação, uma solução encontrada pelos órgãos competentes é reforçar a fiscalização – atualmente, cinco sensores eletrônicos monitoram a via. De acordo com o tenente Antônio Benda da Rocha, chefe do setor de trânsito da PM, há ainda a proposta de aumentar o número de barreiras e blitz de trânsito na região e, futuramente, estudar a possibilidade de controlar toda a via com dispositivos eletrônicos. Conforme relatório da PM, das 3.407 ocorrências contabilizadas no ano passado, em todas as ruas da cidade, 2.740 (80,4%) foram fruto de distração do motorista. Em seguida, com bem menos casos, está desobediência à sinalização (4,9%), e em terceiro, embriaguez ao volante (3,1%). Estudo técnico pode ajudar Para o tenente Antônio Benda da Rocha, efetuar um estudo técnico profundo da via, a fim de melhorar a sinalização e organização do trecho, é primordial. “Se ocorrem acidentes é porque algo não está correto. Acreditamos que a inauguração do viaduto já vai auxiliar, mas para ser eficiente o trânsito precisa ser extremamente organizado”, defende. “Na entrada de Curitiba temos uma situação exemplar, em que a velocidade máxima é de 70 km/h e ninguém ultrapassa porque é pego pela fiscalização. Infelizmente no Brasil se tem a cultura de que, se não há algo que gere uma consequência, as pessoas não obedecem a sinalização. Precisamos mudar este tipo de comportamento, o trânsito é algo complexo e envolve vidas”, salienta o tenente. Sem Título-2