Supervisor de Campo Cláudio Blosfeld mostra depósito com tonéis, barris e outros materiais a céu aberto e com acúmulo de água - Foto: Rafael Verch/OCP Online
Supervisor de Campo Cláudio Blosfeld mostra depósito com tonéis, barris e outros materiais a céu aberto e com acúmulo de água - Foto: Rafael Verch/OCP Online
Desde o início de março, os fiscais da Epidemiologia de Jaraguá do Sul passaram a intensificar as vistorias em 79 estabelecimentos notificados pelo programa de combate à dengue. São 150 pontos estratégicos monitorados, mais 664 armadilhas espalhadas nos bairros. “Hoje existem 74.083 imóveis em Jaraguá do Sul e este ano teve dias que com 80 denúncias por dia. Todos os fiscais estão na rua”, ressalta o coordenador do programa, Augusto Poffo. Desde o início do ano foram encontrados quatro focos do mosquito Aedes aegypti na cidade, nos bairros Água Verde, Vila Lalau, Vieira e Santa Luzia.
“Este ano já tivemos em torno de seis interdições. Desde 2003 já foram 45 casos desses, entre infrações, processos e interdições, mas felizmente a gente nota que as pessoas estão se preocupando mais”, constata.
Uma fábrica de esquadrias metálicas localizada no bairro Czerniewicz foi interditada na manhã de ontem pela Vigilância Epidemiológica de Jaraguá do Sul. A interdição foi efetuada pelo coordenador do Programa de Combate ao Aedes Aegypti e fiscal sanitarista Augusto Poffo, e pelo supervisor de Campo, Cláudio Blosfeld, com apoio de dois policiais militares. O depósito está localizado na Rua José Brunner, no mesmo bairro.
O coordenador Augusto Poffo conta que no dia 5 de janeiro a empresa foi orientada a cobrir e organizar os materiais. Ao retornar no dia 22 de fevereiro, a equipe encontrou tudo do mesmo jeito. “Aí intimamos a empresa, que recebeu 20 dias para se adequar. Ontem [quarta-feira] venceu o prazo”, justifica.
A punição ainda será definida pela Procuradoria-Geral do município. Além da multa, há risco de cassação definitiva do alvará de funcionamento. A empresa poderá retomar as atividades depois de guardar os tonéis em local adequado e solicitar, através do Protocolo, uma nova vistoria.
Poffo confirma que desde a sexta-feira passada começaram as operações da Sala da Situação, anexa ao gabinete do prefeito Dieter Janssen, para o cruzamento de informações entre as vigilâncias Epidemiológica e de Saúde, Fujama, Regional de Saúde da ADR, Procuradoria Jurídica, secretarias municipais de Defesa Civil, Urbanismo, Obras e Educação. As reuniões são semanais e a intenção é empreender ações em conjunto.
Oito casos de dengue e dois de chikungunya
A supervisora de Epidemiologia de Jaraguá do Sul, Marinei Ostetto, confirma que de janeiro até a manhã de ontem foram constatados oito casos de dengue, dois de chikungunya e 50 casos suspeitos para o vírus. Segundo Marinei, duas mulheres, com idades entre 30 e 60 anos, contraíram chikungunya, durante o veraneio, em Pernambuco e Alagoas. Nenhum caso de zika vírus foi registrado até o momento.
O nono boletim do ano da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) divulgado ontem indica 1.506 casos confirmados de dengue no Estado desde janeiro até 12 de março, com 2.127 descartados e 1.487 suspeitos, totalizando 5.120 notificações.
Até o dia 12, havia 13 casos confirmados de chikungunya, 60 descartados, 171 suspeitos, com total de 244 notificações. Nesse mesmo período são 13 casos de zika vírus, todos “importados”, 73 descartados e 92 suspeitos, num total de 178 notificações.