Em uma era onde a tecnologia reina, um dos maiores desafios dos professores é estimular o hábito de leitura nas crianças. E foi através de um livro que as turmas dos oitavos anos do Colégio Evangélico Jaraguá (CEJ) realizaram o projeto "Amo minha idade", que culminou com uma tarde de quinta-feira (25) cheia de atividades para os idosos.

A coordenadora do evento, Edileusa Tomelin, de 42 anos, disse que a proposta do evento é, além de estimular a leitura, promover a interação entre gerações.

"Reunir crianças e idosos para que possam trocar conhecimentos, contar histórias e conhecer as diferentes realidades de cada época", fala.

O objetivo foi o compartilhamento de experiências entre as crianças e os idosos, fazendo eles conhecer melhor sobre a terceira idade. "Existe uma barreira entre as crianças e os idosos. Por isso trabalhamos melhor os ensinamentos sobre a velhice para os alunos", relata a professora de ensino religioso do colégio, Luciane Affonso, 34 anos.

Foto Eduardo Montecino/OCP news

Luciane declara que no começo sempre existe uma resistência por parte dos alunos, mas ao longo do processo, eles foram adorando a ideia de trazer a terceira idade para escola.

"As crianças voltam para a sala de aula mais conhecedoras do passado e os idosos mais animados em viver momentos com os netos", enfatiza.

Livro foi base para projeto

A professora de língua portuguesa dos oitavos e nonos anos do CEJ, Dreyse Bernardi, de 43 anos, trabalhou em sala de aula o livro "Quem, eu? Uma avó. Um neto. Uma lição de vida", do autor Fernando Aguzzoli.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

"O livro trata a história real de um neto que largou sua vida para cuida da avó diagnosticada com Alzheimer", conta.

A expectativa da organização é que 44 idosos tenham participado do evento. Entre eles estava Mercedes Mahfud, de 73 anos anos, que preferiu ficar na mesa batendo palma e dando risada com seu marido, Adolpho Mahfud, de 83 anos, e sua neta, Zélia, 13 anos, enquanto os outros idosos dançavam. "Eu adorei o evento, muito bacana a ideia da instituição", frisa Mercedes.

Foto Eduardo Montecino/OCP news

Já Zélia, com seu jeito tímido, abraçando seus avós, disse que adorou fazer parte de um projeto que resgata histórias do passado, traz um conhecimento sobre os idosos e une as turmas em um único só ideal.

"Foi legal todo mundo ajudando os avós a fazerem as coisas", conta a menina tratada por sua avó como "uma benção de Deus".

Profissionais de saúde contribuem para evento

O dia também foi de muitas ações sobre saúde na terceira idade. Primeiro, o professor da Ludus Recreação, Rafael Francisco, de 40 anos, colocou todo mundo para mexer o corpo com várias atividades.

"Se movimentar na terceira idade é super importante para prevenir doenças comum nessa fase. Procurei faze-los mexer o corpo e darem risada ao mesmo tempo", comenta.

A psicóloga Danielle Gross palestrou sobre "Mente feliz em todas as idades, principalmente na minha" e a nutricionista Amandha Bernardi abordou o tema "Chás e alimentos benéficos para a melhor idade".

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?