Foto Eduardo Montecino/OCP News

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Se há pouco tempo só se ouvia falar em sarampo na hora de contabilizar a vacina e em histórias sobre como o país enfrentou a doença, agora a coisa mudou de figura.

Depois de receber, em 2016, o certificado de eliminação da circulação do vírus, emitido pela Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), o Brasil volta a enfrentar o problema devido a falta de vacinação.

Altamente contagiosa, a doença já é considerada um surto em três estados brasileiros: Amazonas e Roraima, que juntos contabilizam mais de 500 casos confirmados e 1,5 mil em investigação, e o Rio Grande do Sul, que confirmou seis casos da doença neste ano.

Pensando nisso, Jaraguá do Sul lança, nesta quarta-feira (11), a Campanha de Imunização “Vacina é papo de família”.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

A enfermeira Ana Kneipp, supervisora de imunização da Secretaria Municipal de Saúde, afirma que a campanha tem como objetivo principal envolver toda a família, lembrando que a vacinação é uma responsabilidade social e, inclusive, é garantida pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

“As famílias precisam se preocupar e pensar que precisam se proteger para proteger as pessoas ao seu redor. Ninguém está imune a doenças virais e bacterianas”, destaca.

Ana conta que é preciso compreender o que tem levado a população a deixar a imunização de lado. Para a enfermeira, isso acontece por uma série de fatores, entre eles o desconhecimento a respeito da importância da vacinação e das próprias doenças, lembrando que esquemas incompletos de imunização não protegem.

“A gente quer entender porque deixam de proteger. Acho que é um conjunto de questões que vem acontecendo para que tenhamos atingido essa cobertura desastrosa. As pessoas não acham interessante, temos uma geração de pais que não visualiza as doenças e se deixa levar pela desinformação”, avalia.

Imunização não atingiu cobertura recomendada

Prova de que a imunização tem caído  são os números referentes ao ano passado. A supervisora ressalta que os índices jaraguaenses não atingiram o mínimo de cobertura preconizado, com exceção da vacina BCG (para prevenção da tuberculose), que atingiu 96%, quando o percentual mínimo é de 95% da população.

Em contrapartida, a vacina Triviral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, foi aplicada em apenas 86,9% da população da cidade, valor  distante do mínimo recomendado.

Por isso, a Secretaria de Saúde, em parceria com a Secretaria de Educação, Rotarys e Fecine desenvolveu um projeto com crianças e adolescentes, produzindo conteúdo audiovisual chamando atenção para a importância da imunização.

“Trabalhamos com um público diferente, com a linguagem dele e, dessa maneira, eles mesmos vão levar o assunto para dentro de casa”, diz.

A campanha será lançada a partir das 8h30, na Escola de Educação Básica Professora Valdete Inês Piazera Zindars, onde as imagens foram gravadas.

Dados da vacinação em Jaraguá do Sul em 2017

BCG – Preconiza-se imunizar 95% da população
Em Jaraguá do Sul, foram imunizados 96%

Poliomielite
– Preconiza-se imunizar 95% da população
Em Jaraguá do Sul, foram imunizados 90.8%

Triviral (sarampo, rubéola e caxumba) – Preconiza-se imunizar 95% da população
Em Jaraguá do Sul, foram imunizados 86.9%

Meningite – Preconiza-se imunizar 95% da população
Em Jaraguá do Sul, foram imunizados 91.8%

Coqueluche – Preconiza-se imunizar 95% da população
Em Jaraguá do Sul, foram imunizados 90.1%

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?