As 47 mil doses da vacina Oxford/Astrazenica, produzida na Índia, começam a ser distribuídas para os 295 municípios de Santa Catarina nesta segunda-feira. A chegada, aos poucos, do imunizante traz um alento, mas os cuidados devem ser seguidos.

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, mostrou-se otimista com relação à chegada dessas doses, mas destaca que ainda há muito que ser feito.

“A chegada das vacinas representa uma esperança, mas faz parte do enfrentamento. Ela é uma arma a mais e não a solução para a pandemia”, advertiu.

Segundo ele, essas doses devem ser aplicadas no grupo prioritário: profissionais da saúde, que atuam na linha de frente, idosos que residem em Institutos de Longa Permanência e indígenas.

“A vacina da Oxford vai ser aplicada de uma vez só, até porque a segunda dose deve acontecer em 120 dias e até lá há a promessa de que receberemos mais 100 mil a 120 mil doses”, destacou, lembrando que o déficit para este primeiro grupo está em torno de 80 mil doses.

O respeito à regras sanitárias, para o secretário, ainda deve ser obedecido por todos, uma vez que a chegada das vacinas não autoriza o relaxamento no enfrentamento da doença.

“Por favor, cuidem-se”, concluiu.

 

 


Colaboração: Ewaldo Willerding Neto /
Foto: Doia Cercal/Secom

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp