O Município de Criciúma iniciou nesta segunda-feira (27/7) o processo de descentralização do monitoramento e testagem de pacientes contaminados e suspeitos de contaminação pela Covid-19. Até o momento, o procedimento era feito somente pela Secretária Municipal de Saúde. .

Para esclarecer os trâmites da mudança, participaram da Sessão do Legislativo nesta terça-feira (28), o secretário de Saúde, Acélio Casagrande, o coordenador da Vigilância Sanitária, Samuel Bucco, a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Cristiane Santos da Rosa e a coordenadora da Assistência Farmacêutica do Município, Queli Seifert.

A mudança, segundo o secretário, foi necessária por conta do aumento no número de casos e a necessidade de monitorar os pacientes confirmados e suspeitos, para evitar agravamentos. “Temos 51 Unidades de Saúde no Município que serão importantes nesse processo. É um modelo criado aqui em Criciúma que acreditamos que poderá servir de exemplo para muitos outros locais no país”, afirmou Casagrande.

Além do monitoramento, a testagem também será descentralizada. Os profissionais das Unidades de Saúde foram capacitados para aplicar testes rápidos. “Foram disponibilizados cerca de cinco mil testes. Claro que, infelizmente, nem todas as pessoas que procurarem as Unidades poderão ser testadas, existes critérios para estabelecer quem deve fazer o teste”, completou o secretário. Para ser testado, o paciente será avaliado pelos profissionais da Unidade de Saúde e deverá estar sintomático por pelo menos sete dias.

Mais sobre o coronavírus: nota técnica dará orientação a profissionais no uso precoce da Cloroquina em Criciúma

Segundo o coordenador da Vigilância Sanitária, o processo de mudança passa por uma fase inicial de coleta de informações. “Começamos a buscar o monitoramento pelos 27 pacientes que vieram a óbito, depois vamos passar para os pacientes internados, pacientes ativos e após isso, passamos para os pacientes que estiveram internados e receberam alta”, afirmou Bucco.

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica, explica que são acompanhados os casos suspeitos, não somente os confirmados. “Todos os pacientes que procuram as unidades com sintomas gripais se enquadram como suspeitos. Todos são notificados a Vigilância Epidemiológica e acompanhados por esse monitoramento, não só o paciente, mas também todas as pessoas que residem no mesmo domicílio que ela, por pelo menos 14 dias”, pontuou Cristiane.

Para a atuação, o Município conta com um sistema que reúne informações sobre os casos confirmados e suspeitos, mostrando as localidades, idade dos pacientes, doenças pré-existentes, entre outras informações importantes para o monitoramento. A ferramenta que já vinha sendo utilizada pela Secretária, agora, será adaptada para que cada Unidade fique responsável pela atuação na sua área de abrangência.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul