Em cinco minutos a estudante Liliane Araújo, 18 anos, entrou, foi atendida e saiu do Cartório Eleitoral de Jaraguá do Sul na manhã desta terça-feira (8) com o primeiro título de eleitor em mãos. Ela foi uma das cerca de 200 pessoas atendidas durante a manhã no posto, que teve o horário aberto ao público estendido nos últimos dias para realizar a revisão eleitoral e garantir presença nas eleições de outubro.

A estudante, assim como muitos outros eleitores jaraguaenses, deixou para a última hora. O prazo para a revisão encerra nesta quarta-feira (9) e, de acordo com o chefe de cartório Eduardo Arbigaus, embora a cidade já tenha atingido e até ultrapassado a meta estabelecida pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ainda restará uma “quebra” de eleitores que não poderão votar em outubro pela ausência da revisão eleitoral.

Apesar disso, ele explica que essa quebra é até considerada normal porque muitos eleitores cadastrados no município já não moram mais em Jaraguá do Sul. “Esse percentual é normal e deve girar em torno de 12 mil eleitores”, afirma.

Mas Arbigaus alerta que aqueles eleitores que descumprirem a determinação e não realizarem a revisão terão o título cancelado, não poderão votar e após as eleições ainda terão que efetuar o pagamento de uma multa que varia entre R$ 3,50 e R$ 35. Além disso, há outros problemas decorrentes do cancelamento, como complicações no momento de realizar matrículas em universidades públicas e cancelamento de CPF (Cadastro de Pessoa Física).

Embora o Cartório Eleitoral tenha realizado plantão no último sábado para atender aos eleitores que, assim como a estudante Liliane, não tiveram tempo ou não se atentaram ao prazo, a procura foi muito abaixo do esperado. A estrutura com 18 pessoas tinha capacidade para atender 600 eleitores, mas apenas 100 procuraram o posto de atendimento.

A cozinheira Celene Vitória Lima, 59 anos, não compareceu no fim de semana, mas se antecipou ao último dia de prazo e já saiu do posto de atendimento com a situação regularizada e o novo título pronto para ser utilizado em outubro. “Eu achei que demoraria mais porque a gente costuma ver aquelas filas enormes, mas foi rapidinho, em cinco minutos estava pronto”, diz.

Durante esta semana, com horário estendido para atendimento, o movimento foi superior, mas ainda assim, abaixo do esperado pelo chefe de cartório. Na segunda-feira foram 600 atendimentos e o cálculo é de que essa seja a média de atendimento nos três dias – segunda, terça e quarta. “Eu já esperava que o movimento fosse mais baixo do que o fechamento do último ano, mas não tão baixo assim”, avalia Arbigaus.

Segundo ele, a diferença entre o número de atendimentos nos últimos dias no período de fechamento de cadastro do último ano e agora é de quase dois mil. “E isso quando falamos em pessoas, eleitores atendidos, é muita coisa”, completa.

Assim como Jaraguá do Sul, Corupá também irá realizar a eleição com o sistema completamente biométrico. Mas, apesar disso, o chefe de cartório afirma que a procura tem sido muito baixa.

“Na última semana acho que não atendemos nem 10 pessoas”, conta. Já Schroeder, que não tem a obrigatoriedade de ter o cadastro biométrico para a eleição de outubro surpreendeu positivamente o chefe de cartório. “Embora seja facultativo, em Schroeder vai chegar muito perto já da meta do TSE”, diz.

O prazo termina nesta quarta-feira (9) e a estrutura é de 24 pessoas para atender aos eleitores. Arbigaus acredita que o movimento seja maior no último dia. O atendimento segue estendido e o Cartório estará atendendo das 9h às 17h.