Os agitados corredores do Mercado Público Municipal de Joinville, Germano Kurt Freisler, no coração da cidade, não são mais os mesmos. O vai-e-vem de clientes e turistas tem diminuído a cada dia, e a baixa no movimento obrigou alguns comerciantes a fecharem as portas. Num período de dois anos, pelo menos três boxes encerraram suas atividades. Os comerciantes que resistem à queda no movimento culpam a mudança no trânsito da Avenida Dr. Paulo Medeiros - também conhecida como avenida Beira-rio -  realizada pela Prefeitura em 2016, como o principal motivo na queda do número de frequentadores. É o que explica um dos comerciantes, Valmir Santhiago Jr. “Historicamente a facilidade de acesso ao estacionamento do Mercado Municipal era muito grande. Com a mudança no trânsito o motorista que seguia da zona Sul de Joinville e passava em frente, hoje é desviado, e obrigado a seguir pelas ruas Ricardo Stam Gomes e Cachoeira. Isto faz com que o acesso seja feito pelos fundos, o que é muito ruim. Além disso, no horário de pico, é difícil e até perigoso conseguir entrar no estacionamento, devido ao movimento intenso daquelas ruas”, argumenta.
Comerciantes acusam mudança no trânsito como fator decisivo na queda do movimento | Foto Windson Prado
Santhiago, que há oito anos tem um restaurante no Mercado Municipal, acrescenta que a prefeitura restringiu o cliente da oportunidade. “Antes o motorista passava pela frente do Mercado e lembrava que precisava comprar alguma coisa. Como o acesso ao estacionamento era fácil e direto, ele aproveitava. Agora, quem passa pelo desvio e nem vê o Mercado. Àqueles que querem vir, ainda se deparam com a dificuldade do acesso, diante disso, muitas vezes desistem, seguindo a outras redes da cidade”, afirma. A queda na venda, segundo o comerciante, já representa 50%. “Tivemos duas grandes quedas no movimento. A primeira de cerca de 20% é devido à crise, temos esta consciência. Mas depois, quando estávamos superando esta redução no movimento veio a mudança no trânsito, que nos gerou mais 30% de queda. Aí, muitos comerciantes não aguentam”, cita.
“Tivemos duas grandes quedas no movimento. A primeira de cerca de 20% é devido à crise. Quando estávamos superando esta redução no movimento veio a mudança no trânsito, que nos gerou mais 30% de queda", Valmir Santhiago Jr, comerciante

Mudança foi arbitrária segundo comerciantes

Jefferson Fernandes, 31 anos, também mantém um box no Mercado Público em que comercializa produtos naturais e especiarias em geral. “Não tem como negar, o movimento caiu bastante depois desta mudança no trânsito”, diz.
"Não tem como negar, o movimento caiu bastante depois desta mudança no trânsito", Jefferson Fernandes, comerciante | Foto Windson Prado
Assim como Jefferson, Santhiago Jr. acusa a Prefeitura de mudarem a via de forma arbitrária, sem consultar os comerciantes. “Não nos procuraram, não fizeram um estudo da viabilidade da mudança da rua. Agora está aí, a rua vazia, e os corredores do mercado público também. Precisamos que esta mudança seja revista”, finaliza Santhiago Jr. O Mercado Público Municipal de Joinville passou por intensa revitalização entre 2010 e 2012 o que trouxe novamente prestígio e público ao local histórico. Hoje a estrutura é formada por 21 boxes, mas destes, apenas 14 foram licitados em 2012. A associação dos comerciantes do Mercado Municipal também cobra celeridade na licitação dos boxes residuais, o que não aconteceu desde então.

Contraponto

Em nota, a Prefeitura de Joinville informou que não há previsão de alteração do trânsito na região do Mercado Público. Melhorias poderão ser feitas no local, dependendo da necessidade.