Após quase dois meses paralisada, a execução do trapiche do João Paulo, na altura do final da Servidão Nonô, entrou em uma nova fase. Em cada uma das 44 estacas já cravadas começaram a ser colocados capitéis, ou seja, os blocos de concreto que depois vão receber as vigas que sustentarão as lajes correspondentes ao piso do píer de 210 metros de extensão, 3,75 metros de largura e até dois metros de profundidade, dependendo da maré. O trabalho iniciou pelas estacas fincadas na praia. Após a conclusão desta etapa, que deve durar cerca de um mês e meio, será dada continuidade à cravação das 28 estacas que faltam, pelo lado do mar. Já paralelamente às últimas cravações de estacas, está prevista a instalação da ponte pênsil de base estrutural metálica e deque de madeira de 10 metros de extensão que fará a ligação do píer à “linha flutuante” - o equipamento que também vai acompanhar o movimento da maré e que facilitará o embarque e desembarque de pessoas e a carga e descarga dos produtos relativos à pesca. O custo total da obra é de R$ 2,9 milhões, sendo R$ 2,3 milhões do governo federal, e o restante, recursos próprios da Prefeitura. Um investimento que vai beneficiar 87 pescadores, os quais passarão a atracar seus barcos no mar sem risco de eles encalharem na lama, bem como passar a tirar com mais facilidade das embarcações os produtos que obtiverem da pesca.