O verão no hemisfério norte causou intensas ondas de calor e países como o Canadá e EUA chegaram a registrar temperaturas de 49,5ºC. Outros países também foram atingidos, como a Finlândia, conhecida popularmente como a "Terra do Papai Noel" e que registrou as temperaturas mais altas em mais de cem anos.

O Instituto de Meteorologia da Finlândia, a estação meteorológica da reserva natural de Kevo, registrou 33,6ºC na segunda-feira (5), a maior marca na região desde 1914. Naquele ano, o município finlandês, Inari, alcançou os 34,7ºC.

Foto: WMO/BBC News.

A temperatura média durante o mês de julho no município de Utsjoki, onde está localizada a reserva natural de Kevo, fica entre os 8ºC e 16ºC. No inverno, a temperatura média é de -4ºC. Em 2015, a região bateu o recorde de menor temperatura, foram -37,3ºC.

De acordo com meteorologistas, o fenômeno do aquecimento global não vai necessariamente aumentar as temperaturas em todas as estações do ano, mas vai intensificar os episódios de condições climáticas extremas.

No verão do hemisfério norte de 2021, por exemplo, a amplitude térmica ao longo do dia é enorme: podendo variar entre 10ºC durante a madrugada e à noite e chegar a 32ºC ao longo do dia.

A principal atração turística da região ligada ao Natal e Papai Noel fica na cidade de Rovaniemi, capital da Lapônia, a aproximadamente cinco horas ao sul de Kevo. Ali, está a Vila do Papai Noel, criada na década de 1980 e que hoje possui um complexo de chalés onde há um hotel, dois restaurantes, lojas temáticas, recanto do Papai Noel e o coreio que recebe cartas de todo o mundo.

A linha do Círculo Polar Ártico passa pelo meio da Vila do Papai Noel. Foto: Reprodução/Santatelevision.

Uma equipe de turismo do local vestiu-se de Papai Noel e duendes e publicou no Instagram uma foto ao lodo do termômetro que marcava 34ºC.

O calor intenso neste ano na Lapônia levou o Instituto de Meteorologia da Finlândia a emitir alertas.

"Pessoas com doenças crônicas devem apresentar sintomas mais acentuados e difíceis. O estresse causado pelo calor limitará a capacidade de trabalho de pessoas saudáveis", afirmou o órgão sobre a onda de calor.

Além disso, o instituto alertou sobre os riscos de incêndio nas florestas da região que é a mais setentrional (ao norte) do país.

"O perigo de incêndios florestais se dá por causa da secura do solo. Em caso de tempo com muito vento, incêndios florestais espalham-se rapidamente."

O meteorologista Mika Rantanen, pesquisador de mudanças climáticas e climas extremos do Instituto de Meteorologia da Finlândia, publicou em seu perfil no Twitter que o país está próximo de bater o recorde de 26 dias consecutivos de temperaturas acima dos 25ºC. Atualmente a contagem está em 19 dias.

O pesquisador aponta também sobre o gelo do Ártico que também bateu recorde, mas negativo. São 1,1 milhão de quilômetros quadrados a menos do que a extensão registrada na primeira década dos anos 2000, uma área quase equivalente ao Estado do Pará.