A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) investiga dois possíveis casos importados de sarampo no estado, ambos notificados em Florianópolis. Até o momento, mais de 500 casos da doença já foram confirmados no Brasil neste ano.

De acordo com especialistas, uma pessoa infectada com sarampo pode contaminar até 20 outros indivíduos. Em decorrência da situação, órgãos e profissionais da área da saúde têm destacado a vacina como principal instrumento de prevenção.

“O sarampo era uma doença praticamente extinta no país, que vem registrando novos casos e que tem no esquema de vacinação a principal forma de prevenir. Junto com o sarampo, doenças, como a rubéola, também podem voltar a aparecer. Em casos extremos, o sarampo pode levar a morte”, alerta o médico da rede municipal de saúde de Blumenau, José Carlos Galvão.

A população deve ficar atenta à carteira de vacinação e, em caso de dúvidas, procurar uma unidade de saúde.

Quais os principais sintomas?

Febre alta acompanhada de tosse, coriza, conjuntivite e manchas avermelhadas pelo corpo, que normalmente iniciam na região da cabeça.

Quem pode se vacinar?

Crianças com idade entre 12 meses e 4 anos, 11 meses e 29 dias:

  • uma dose de vacina Tríplice Viral (SCR) aos 12 meses de idade
  • uma dose de vacina Tetra Viral (SCR Varicela) aos 15 meses de idade

Crianças maiores de 5 anos e indivíduos até 29 anos:

  • duas doses de Tríplice viral e/ou Tetraviral (recebidas com intervalo mínimo de 30 dias)

Adultos acima de 30 anos devem ter pelo menos uma dose da vacina tríplice viral, salvo aqueles com histórico da doença.

Há contraindicação da vacina?

Sim, para gestantes e pacientes imunossuprimidos. Pacientes com alergia à proteína do leite da vaca devem relatar a situação antes da vacinação. Pacientes com mais de 50 anos têm indicação de vacinar apenas em caso de viagem para localidades que tenham registro de sarampo.

Quer receber as notícias no WhatsApp?