Capsi é um dos lugares que acolhem crianças e adolescentes | Foto Divulgação

Capsi é um dos lugares que acolhem crianças e adolescentes | Foto Divulgação

Ainda considerado um tema tabu na sociedade, o suicídio faz vítimas em todo país, inclusive em Jaraguá do Sul. Enquanto mais um caso registrado no fim de semana liga o alerta, projetos realizados na região, principalmente nas escolas, já estão abrindo caminho para a prevenção.

Na noite de sábado (7), um enfermeiro e ex-bombeiro voluntário de Jaraguá do Sul cometeu suicídio e chocou os moradores da cidade. Um jovem, que costumava salvar a vida das pessoas, até mesmo daqueles que pensam em cometer o ato, tirou a própria vida.

Atualmente os três Centros de Atenção Psicossocial (Caps) de Jaraguá do Sul contam com 45 profissionais totalmente voltados para prestar apoio emocional e psicológico de forma a gratuita a população.

São psicólogos, assistentes sociais, médicos psiquiatras, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, técnicos de enfermagem, arteterapeuta e fonoaudióloga. Em média, as unidades realiza 1.700 atendimentos por mês.

A gerente do órgão, Denise Thum, explica que suicídio não tem faixa etária ou padrão. Depende muito da situação da vida das pessoas. “Em 2016, com a crise econômica tivemos um aumento de homens.

Ano passado, com a "Baleia Azul" houve mais procura adolescentes. Atendemos tanto por demanda espontânea, pessoas que chegam por meio da família ou unidade de saúde, quanto as que já tentaram suicídio e foram parar no pronto socorro", relata.

Outra frente de apoio, atualmente com 19 voluntários, o Centro de Valorização da Vida (CVV) atua há 13 anos em Jaraguá do Sul, e a procura tem aumentado a cada ano. Somente em 2017, os voluntários realizaram 6.651 atendimentos. Em 2016 foram apenas 1.500 atendimentos.

Os dados sobre suicídio são mais difíceis de obter, segundo a equipe da entidade. Sabe-se que em 2015 pelo menos 10 pessoas tiraram a própria vida em Jaraguá do Sul. Em 2016, foram oito suicídios. O Hospital Jaraguá atendeu no mês passado uma tentativa, envolvendo uma adolescente de 14 anos.

Escolas recebem ações

Entre os dados de 2017, foram dois suicídios cometidos por adolescentes e outras duas tentativas. Desde junho, a Comissão de Prevenção ao Suicídio de Jaraguá do Sul vem realizando palestras voltada para o tema e que pretende atingir ao fim do projeto aproximadamente 5 mil alunos do município.

Por meio de bate-papos com crianças e adolescentes do 5º ao 9º ano, os profissionais abordam sobre os sinais de alerta a serem observados e o que fazer em caso de confirmação desses sinais. O objetivo é prevenir, falar sobre o assunto, levantar os principais desafios e, num próximo passo, promover um encontro com os pais dos alunos.

De acordo com a coordenadora da Saúde Mental de Jaraguá do Sul e membro da Comissão de Prevenção ao Suicídio, Denise Thum, a ideia do projeto surgiu quando começaram a aparecer as questões do jogo suicida "baleia azul".

Na época, o Caps registrou aumento da procura pelos serviços por parte das famílias de adolescentes com intenção ou tentativa de suicídio, ou ainda, casos de automutilação.

“A automutilação não é necessariamente uma tentativa de suicídio. Muitos adolescentes relatam que é um meio de se aliviar (tensões e ansiedade), mas é autodestrutivo. E a gente se preocupa com o adolescente porque ele é muito impulsivo”, comenta Denise.

Foi a partir daí que a Secretaria de Saúde passou a traçar diretrizes de enfrentamento dessas práticas. Segundo a coordenadora, é preciso encarar esses temas de frente e vencer o tabu de abordá-los. Ela explica que a partir de conversas sobre suicídio, as pessoas decidem procurar ajuda e acompanhamento.

“A gente pode não falar o tempo todo só sobre isso, alternando com dinâmicas, mas tem que abordar. Porque a gente costuma não falar, mas as pessoas fazem e continuam fazendo. E já está provado que falar não aumenta a taxa de suicídio, pelo contrário, diminui”, ressalta.

Dados alertam o Brasil

Todo ano a campanha Setembro Amarelo é promovida no mundo inteiro para conscientizar e alertar e como prevenir, uma vez que o suicídio é a 14ª causa de mortes no planeta, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na última década, o suicídio tem sido a segunda maior causa de morte de pessoas com idade entre 15 a 29 anos. No Brasil, a cada dia, 32 pessoas cometem suicídio, ou seja, uma pessoa a cada 45 minutos tira a própria vida.

Isso faz com que o Brasil ocupe a oitava posição entre os países que mais registram este tipo de ato. São 12 mil mortes todos os anos, e os dados mostram um crescimento de 10% de suicídios no Brasil, entre os anos de 2000 e 2012.

Onde procurar apoio

CVV de Jaraguá do Sul

Endereço: rua Antônio Cunha, 160, Vila Baependi, no piso superior da Rodoviária
Telefone: 188 (24 horas)

CAPSi - infantojuvenil 

Endereço: rua José Emmendoerfer, 1837, Jaraguá Esquerdo.
Telefone: (47) 3370-6595

CAPS II

Endereço: rua Araquari, 287, Ilha da Figueira
Telefone: (47) 3275-0604

CAPS AD (Álcool e Drogas) 

Endereço: rua João Picolli, 488, Centro
Telefone (47) 3370-5693

Quer receber as notícias no WhatsApp?