Sífilis, gonorreia e clamídia são doenças sexualmente transmissíveis provocadas por bactérias, geralmente tratadas com antibióticos comuns. Porém, por causa do uso errado ou em excesso dessas drogas, os micróbios estão criando resistência aos medicamentos e reduzindo as opções de tratamento. Por esse motivo, a Organização Mundial da Saúde anunciou a revisão das recomendações para o cuidado médico dessas doenças. Estimativas apontam que 131 milhões de pessoas são infectadas anualmente pela clamídia, 78 milhões pela gonorreia e 5,6 milhões por sífilis. Das três doenças, a gonorreia foi a que mais desenvolveu resistência aos antibióticos. Cepas da bactéria que não respondem a qualquer medicamento disponível já foram detectados. Embora menos comum, a resistência da clamídia e da sífilis também já foi detectada, o que torna a prevenção a melhor estratégia. Se não forem diagnosticadas e tratadas, essas doenças podem causar sérios problemas no longo prazo, sobretudo nas mulheres, que podem desenvolver doenças inflamatórias na região pélvica, gravidez ectópica e abortos espontâneos. Gonorreia e clamídia podem causar infertilidade, entre homens e mulheres. Infecções por essas três doenças também aumentam o risco de uma pessoa ser infectada pelo HIV. “Clamídia, gonorreia e sífilis são grandes problemas de saúde pública em todo o mundo, afetando a qualidade de vida de milhões de pessoas, provocando sérias doenças e, às vezes, a morte”, alertou Ian Askew, diretor de Saúde Reprodutiva da OMS. As novas recomendações reforçam a necessidade de tratamento dessas doenças sexualmente transmissíveis com o antibiótico correto, com a dose certa e tempo certo para reduzir o avanço delas. A OMS pede aos governos o monitoramento de cepas resistentes. Os serviços de saúde devem prescrever os antibióticos mais eficazes, com base nos dados desses padrões de resistência. E isso deve aumentar o custo, já que medicamentos antigos e baratos já perderam sua eficácia. A clamídia é a mais comum das DSTs bacterianas, e se manifesta pelo ardor durante o urinar, mas a maioria das pessoas não apresentam sintomas. A gonorreia pode provocar infecções na genitália, reto e garganta. A OMS retirou a recomendação do uso da quinolona — classe de antibióticos usados no tratamento de infecções bacterianas — por causa dos altos níveis de resistência. Cada serviço de saúde deve mapear as cepas mais comuns e definir o método de tratamento. Para a sífilis — transmitida pelo contato de uma ferida nos genitais, ânus, lábios ou boca, além de mãe para o feto durante a gestação — a nova recomendação é uma única dose de benzilpenicilina benzatina, conhecida como benzetacil, considerado o tratamento mais eficaz e mais barato que antibióticos orais.