Em assembleia que ocorreu na tarde desta sexta-feira (04), na Praça Tancredo Neves, os servidores não aceitaram a proposta da Prefeitura de Florianópolis e decidiram continuar com a greve que completa 23 dias. Após a votação, os trabalhadores seguiram em passeata até a sede do governo Municipal. Segundo o Sintrasem, a proposta ignora a pauta de reivindicações da categoria referentes à data-base 2018. Uma nova assembleia para discutir os rumos do movimento foi marcado para segunda-feira (07), às 13h30min. "Com proposta de corte de salários, reajuste sem previsão de pagamento e a continuidade da implantação das OS no serviço público, Gean ignora a mobilização dos trabalhadores e dá às costas para quem trabalha diariamente no atendimento à população", manifestou o sindicato. A pauta dos trabalhadores reivindica melhores condições de trabalho, saúde e segurança; resoluções envolvendo a previdência; reposição de direitos que envolvem horas extras e licenças; readequação de cargos e correção de desvios de função. Questões correspondentes aos serviços de assistência social e educação completam a pauta. Um dos quesitos mais polêmicos é o pedido de retirada da lei “Creche e Saúde Já”, aprovada às pressas e que permite a terceirização do serviço público. Com a condição de que o servidor retornasse ao trabalho na segunda, a Prefeitura propôs gerar uma folha complementar pagando o salário de abril integral. Porém, haveria um desconto de cinco dias que seria parcelado mensalmente nos próximos cinco meses, a partir de maio. O restante, seria compensado com reposição, sem afetar o ano letivo no caso da educação. Além disso, os valores gerados pela multa aplicada ao sindicato, de R$ 100 mil por dia, seriam investidos, segundo a proposta, em viagens de estudo e pesquisa para os estudantes da rede municipal de ensino e capacitação dos servidores. Em relação à data-base, a Prefeitura sugeriu a reposição da inflação, parcelado em dois meses, condicionados ao limite prudencial com a folha de pagamento. No vale-alimentação, o município aumentaria 5% no próximo mês. O Executivo prometeu iniciar pagamento das promoções, mas de acordo com o limite prudencial. A verba prevista para iniciar o pagamento seria de R$ 100 mil por mês. "Diante da impossibilidade de um acordo com os representantes da categoria, mesmo diante de inúmeros avanços nas demandas apresentadas, o executivo busca dialogar diretamente com os servidores", divulgou a Prefeitura. LEIA MAIS Greve segue e MP entra com ação determinando acesso à educação Greve tem dois grandes culpados: a Prefeitura e a Câmara, diz vereador Desfecho de negociações entre Sintrasem e Prefeitura deve ficar para quarta Após 16 dias de paralisação, servidores votam pela continuação da greve Greve dos servidores completa 16 dias nesta sexta-feira, que pode ser decisiva Após sancionar lei que desencadeou greve, Prefeitura começa a negociar Prefeito sanciona lei enquanto servidores protestam pelas ruas de Florianópolis Creche e Saúde Já segue para prefeitura de Florianópolis com alterações Sintraturb adere à greve e promete parar transporte coletivo em Florianópolis Creche e Saúde Já segue para prefeitura de Florianópolis com alterações Servidores de Florianópolis decidem manter a greve Tumulto, bombas e spray de pimenta marcam sessão de sábado TJSC mantém decisão e determina que servidores voltem ao trabalho Creche e Saúde Já será votado neste sábado em Florianópolis Juiz indefere pedido de Mandado de Segurança de vereadores de Florianópolis MP recomenda suspensão de propaganda da prefeitura de Florianópolis Vídeo mostra bate boca entre vereadores na Câmara de Florianópolis