Servidores do PA Leste protestam contra falta de condições de trabalho

Servidores do PA Leste protestam contra falta de condições de trabalho Servidores do PA Leste protestam contra falta de condições de trabalho

Cotidiano

Por: Windson Prado

quarta-feira, 03:30 - 28/02/2018

Windson Prado
Os funcionários do PA (Prontoatendimento) Leste de Joinville fizeram duas paralisações de meia hora nesta quarta-feira (28) para cobrar da Prefeitura de Joinville melhores condições de trabalho. A primeira foi de manhã e a segunda, no período da tarde. De acordo com informações repassadas pelo Sinsej (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região) a ação foi organizada depois de uma enfermeira ser agredida pela acompanhante de um paciente, na noite da última segunda-feira (26). O sindicato afirmou que o PA Leste está operando com superlotação. A média de atendimento diária é atualmente de 600 pacientes. O que compromete o serviço prestado à comunidade e sobrecarrega os funcionários. Na segunda, cerca de 690 pessoas foram atendidas naquela unidade de saúde. “Esta realidade não é diferente no PA Norte e o PA Sul, que se encontra em obras. Apenas 25 funcionários por turno são responsáveis por toda esta demanda. Na noite da agressão, havia apenas duas enfermeiras e dois médicos trabalhando”, disse o Sinsej por meio de nota. O funcionários do PA Leste também afirmam que faltam medicamentos em toda a rede municipal de saúde. Entre eles: Diosmina, Omeprazol, Losartana, Furosemida, Metformina, Carvedilol, Cefalexina, Dipirona, Espironolactona, Estriol, Soro Nasal, Beclometasona, Alopurinol, Carvedilol e Propatilnitrato. Além disso, não há regularidade na reposição de fraldas geriátricas desde novembro de 2017. Nas três regionais da atenção básica – Centro, Sul e Norte – faltam medicamentos psicotrópicos. “Acreditamos que essa situação não é um caso isolado, mas de uma crescente revolta da população, que não encontra a estrutura adequada, medicamentos e o atendimento de suas necessidades”, falou o diretor do Sinsej, Edson Tavares. Os servidores exigem a contratação de mais pessoal, segurança, reposição de materiais e remédios faltantes, bem como o fim do assédio moral. Na próxima segunda-feira (5), estes trabalhadores devem participar da Comissão de Legislação da Câmara de Vereadores, às 15 horas, onde será discutido o projeto de lei complementar 122/2017, que extingue 36 cargos no município. Contraponto A Prefeitura de Joinville informou que está aberta para ouvir as demandas dos servidores. Os processos de melhorias no atendimento são realizados em conjunto com toda a equipe para que não haja prejuízos no atendimento aos usuários. Sobre a falta de medicamentos, processos de compra estão em andamento.  
×