Por Dyovana Koiwaski Após mais de dois anos e meio de impasses burocráticos, o serviço de guincho deve ser retomado entre os meses de julho e agosto em Jaraguá do Sul. Com isso, veículos que transitam com irregularidades voltarão a ser apreendidos em operações realizadas Polícia Militar. Estimativa do 14º Batalhão aponta que torno de 22 mil veículos circulam com documentação irregular no município. Na última quinta-feira (29), a Câmara de Vereadores aprovou projeto de lei regulamentando o serviço de remoção, recolhimento e depósito de veículos apreendidos por cometerem irregularidades. A gestão do pátio e do guincho será municipal até que seja realizado um novo processo de concessão, capacitando uma empresa para o recolhimento dos veículos.O terreno do novo pátio está localizado no bairro Nereu Ramos. De acordo com o diretor de Trânsito, Irio Riegel, o local está sendo estruturado com instalações elétricas, internet e contratação de funcionários. A área possui mais de 10 mil metros quadrados.
Estrutura está sendo montada no bairro Nereu Ramos, em um terreno de 10 mil metros quadrados | Foto Eduardo Montecino
Estrutura está sendo montada no bairro Nereu Ramos, em um terreno de 10 mil metros quadrados | Foto Eduardo Montecino
  Com a licitação, o contrato com a prestadora de serviço terá 20 anos de vigência. A concessionária deve oferecer o serviço de segurança e recepção 24 horas por dia, para atender tanto os agentes fiscalizadores de trânsito quanto a comunidade. A empresa que tiver a concessão fará cobrança pela remoção e permanência dos veículos, de acordo com os valores estabelecidos no contrato. Os veículos apreendidos que não forem reclamados por seus proprietários dentro de 60 dias poderão ser levados a leilão. Mais de 200 veículos serão leiloados No dia 4 de julho, o Detran (Departamento Estadual de Trânsito) promove o primeiro leilão de veículos que foram apreendidos quando o serviço de guincho ainda funcionava e era gerenciado pela empresa G-Truck. As motocicletas e automóveis permanecem depositados no antigo pátio. Serão 20 carros e 196 motos leiloados. Em novembro acontece um segundo leilão, com cerca de 600 veículos. A antiga detentora processou a administração pública alegando uma dívida no valor de R$ 8,5 milhões em relação à estadia dos veículos que estavam apreendidos no pátio por até 30 dias. Em contrapartida, a Prefeitura defende que a empresa seria a responsável por cobrar o pagamento dos respectivos proprietários ou promover um leilão para obter o valor. Esses custos deverão ser quitados com o valor arrecadado pelo Detran.