A rodada de negociação mediada pelo Tribunal Regional do Trabalho, requerida pelo Sindicato das Indústrias de Cerâmica de Criciúma e região (Sindiceram), na tarde desta sexta-feira, não apresentou evolução no quadro de impasse entre trabalhadores e patrões ceramistas em torno do acordo para convenção coletiva da categoria.

 

O Sindicato Patronal, na reunião realizada por web conferência, não apresentou nenhuma nova proposta, mas pode convocar uma nova rodada de negociações na manhã deste sábado (20).

“Debatemos durante mais de duas horas, mas o Sindiceram não mudou a proposta que fez há dez dias, quando suspendeu as negociações para requerer a mediação da justiça do trabalho; assim trabalhamos com os encaminhamentos definidos pela categoria em assembleias”, enfatizou o presidente do Sindicato dos Ceramistas, Itaci de Sá.

A mediação foi feita pela desembargadora Tereza Regina Itoski, do Tribunal Regional do Trabalho. A proposta patronal, explica Itaci, retira direitos conquistados pelos ceramistas nas últimas décadas, entre elas hora extra de 100% nos feriados e adicional noturno de 30%, para novos contratados, criando uma situação de trabalhadores exercendo funções iguais com contratos e salários diferentes.

Além disso, reduz o abono de férias de R$ 1.220,00 para R$ 600,00 estendendo-o aos não sócios. Os trabalhadores querem manter a convenção de 2020 e aumento real de 3%.