A utilização da Caderneta de Saúde na vigilância e promoção do desenvolvimento infantil é o tema que a Secretaria da Saúde de Joinville colocou em debate iniciado na manhã desta terça-feira (27) e prossegue até quinta-feira (1º) no auditório do Instituto Pró-Rim. Comandada por representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Ministério da Saúde, a oficina envolve médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e agentes comunitários da rede pública municipal de saúde. “A detecção precoce de qualquer problema no desenvolvimento da criança desde os primeiros momentos da vida proporciona condições de um tratamento mais efetivo”, afirmou a pediatra Fátima Mucha, da Secretaria da Saúde, ao enfatizar a importância das cadernetas para toda criança. No Brasil, os resultados das investigações entre 2013 e 2016 sobre a utilização da Caderneta de Saúde no crescimento e desenvolvimento das crianças na primeira infância e a compreensão da prática da vigilância na Estratégia de Saúde da Família evidenciaram a diversidade nos modos de realizar o acompanhamento e utilizar a caderneta. Nesse contexto, os pais ocupam papel estratégico na promoção da saúde da criança e na observação de qualquer problema físico ou cognitivo. “A caderneta é o principal meio de comunicação entre a família, a criança e o sistema de saúde. Por isso, precisa ser mais eficaz”, resumiu Virgínia Marques Peixoto, da Fundação Fiocruz. Virgínia destacou que é a quarta etapa do trabalho que é realizado em Joinville na capacitação das equipes de atenção básica. “Tenho sempre enfatizado no Ministério da Saúde que nesse processo os municípios precisam sempre ser ouvidos”, destacou. Na palestra de abertura, a consultora para o desenvolvimento infantil da Organização Pan-Americana de Saúde e do Ministério da Saúde, Amira Figueiras, disse que “o que somos hoje dependeu essencialmente dos nossos três primeiros anos de vida, quando é muito intenso o desenvolvimento físico e neurológico. Até os seis, 90% das nossas conexões de sinapse estão formadas. Enfim, as experiências iniciais da vida moldam a nossa arquitetura cerebral”. As equipes da Atenção Básica de Joinville participaram deste processo de análise da Caderneta de Saúde e integram a proposta de construção de um acompanhamento mais qualificado e na promoção do desenvolvimento infantil. Os trabalhos da oficina prosseguem nesta quarta-feira (28) com palestras, apresentação de indicadores, jogos, dinâmicas e apresentação de casos clínicos. No último dia, quinta-feira (1°), haverá prática de atendimentos a crianças, discussão coletiva, apresentação de proposta de projeto, construção de indicadores, consolidação e validação das propostas dos grupos.