O desenvolvimento tecnológico trouxe possibilidades viáveis para a área de mobilidade urbana alinhada à sustentabilidade. Ciente disso, a Celesc, por meio do seu programa de P&D/Aneel, e o Governo do Estado de Santa Catarina, em parceria com a Fundação Certi, vêm apostando na infraestrutura de recarga espalhada por toda a sua área de concessão, para dar autonomia a veículos elétricos. O programa deu origem ao Corredor Elétrico Catarinense — um dos maiores do Brasil, com mais de 1.500 quilômetros de rotas eletrificadas em sua totalidade.

Nesta quarta-feira (29/06), em uma estação de recarga localizada no espaço mobilidade, na Rodovia José Carlos Daux (SC-401), em Florianópolis, foi realizado o lançamento do projeto, que contou com R$ 7,1 milhões em investimentos da distribuidora e cerca de R$ 200 mil de parceiros selecionados por Chamada Pública. Ao todo, 34 estações de recarga estão instaladas de Norte a Sul e de Leste a Oeste de Santa Catarina, interligando os estados do Sul via BR-101.

Para o presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins, a Celesc é o fio condutor para o desenvolvimento do estado e o corredor elétrico é um importante marco que coloca Santa Catarina na vanguardado setor elétrico. “É importante que uma via desta magnitude conecte os estados do Sul do país por meio da BR-101, que tem grande circulação de veículos, e também é fundamental a sua interiorização por rodovias como a BR-282, por onde é escoada grande parte da produção catarinense. Isso é visão e planejamento para o futuro”, destaca.

Durante o ato de lançamento, a diretora de Planejamento, Controles e Compliance da Celesc, Pilar Sabino da Silva, ressaltou a importância da iniciativa. “O projeto é muito importante não só pelo quesito da inovação, mas também pelo da sustentabilidade. Por isso ele integra o planejamento estratégico da Celesc, por meio do nosso plano diretor”, disse.

Ainda durante o o evento, o gerente do projeto na Celesc, Marco Aurélio Gianesini, comentou sobre a importância do projeto para que a Celesc se posicione como uma empresa inovadora não só em Santa Catarina, mas em todo o País. Ele também mencionou que a iniciativa está alinhada ao compromisso firmado pelo governador Carlos Moisés na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26), realizada em em Glasgow (UK) em novembro de 2021, em prol da sustentabilidade.

“Atualmente, em todas as 34 estações de recarga no estado estão disponíveis cerca de 60 plugues para uso”, comentou Gianesini, ressaltando que também há um aplicativo para celular para verificar se há estações de carregamento disponível para recarga de veículo. No mapa abaixo, confira as cidades que fazem parte do percurso:

Hoje o corredor elétrico conta com estações rápidas e semirrápidas. A diferença entre elas é o tempo de duração, visto que as semirrápidas disponibilizam baixa potência e são usadas para recargas públicas em centros urbanos, enquanto as rápidas proporcionam alta potência e são capazes de realizar recargas em até 40 minutos. “Aqui no Espaço de Mobilidade, em Florianópolis, local escolhido para o lançamento do programa, estão operando quatro destas estações onde serão testadas tecnologias como o V2G, que permitirá aos proprietários de veículos elétricos carregá-los quando houver pouca demanda e devolver energia à rede elétrica em períodos de alta demanda do sistema elétrico”, adiantou Gianesini.

“Até o ano passado, nos eletropostos instalados desde 2016 em Florianópolis, Porto Belo e Araquari, foram utilizados mais de 13.700 kWh de energia elétrica, em mais de 1.000 recargas. Apesar de um ano atípico em muitos aspectos, 2020 somou um total de energia em recargas maior que os anos anteriores juntos, com mais de 8.300 kWh, um aumento de 274% em relação a 2019. Além disso, somente nos últimos 12 meses o consumo de energia para recargas já atingiu a marca de 46.983 kWh, mostrando que a mobilidade elétrica evolui cada vez mais no Brasil”, comentou Laércio Aniceto Silva, Superintendente de Negócios na Fundação CERTI.

Sobre a seleção dos locais para instalação de estações de recarga

Com exceção do Espaço Mobilidade, todos os locais parceiros onde estão instaladas as estações de recarga foram selecionados via Chamada Pública, já concluída. Neste momento, a Celesc avalia a contratação de um novo projeto de P&D para aumentar o número deste tipo de estações, ainda sem previsão de lançamento.

Entre as atribuições dos parceiros selecionados estão a disponibilização de uma vaga exclusiva para veículos elétricos; horário de funcionamento mínimo entre 8h00 e 22h00; restaurante ou lanchonete aberto durante todo o horário de funcionamento; sanitários em ótimo estado de conservação; acessibilidade às áreas comuns do local e à estação para deficientes físicos; acesso de ambos os sentidos da rodovia adjacente; em caso de via duplicada, o retorno deve estar situado no máximo a 2,5 km do local; disponibilização de Wi-Fi ao público.

Futuramente o acordo entre a Celesc, a Certi e os parceiros prevê a monetização e exploração comercial dos ativos, alinhadas às regras contratuais.