A proposta da cobrança de uma taxa ambiental dos turistas das praias de São Francisco do Sul ainda está em fase de estudos, mas está dando o que falar. As opiniões se divergem, mas por enquanto nada definido, informa o prefeito de São Francisco do Sul, Renato Gama Lobo (PSD). "Nesta temporada será realizada pesquisa quantitativa sobre o fluxo de veículos", diz o prefeito, além de outra pesquisa qualitativa, através de questionários. A estimativa é a de que seja aplicada a taxa a partir da temporada seguinte (2018/2019). "Os benefícios diretos serão investidos em melhor infraestrutura, como chuveiros, banheiros, estrutura de acessos às praias, de forma segura e organizada, e com proteção das áreas de vegetação", acrescenta o prefeito de São Francisco do Sul. Ainda segundo o prefeito Renato Gama Lobo, os recursos também irão auxiliar num melhor serviço de limpeza urbana e coleta do lixo, haja vista que as demandas e custos por esses serviços chegam a triplicar durante a temporada. Em 2014 esta ação foi polêmica em Bombinhas, ano em que entrou em vigor esta cobrança. Agora São Francisco do Sul quer copiar a idéia. Mas esta cobrança de uma taxa ambiental dos turistas divide opiniões, afinal de um lado existe a necessidade de incrementar os serviços públicos oferecidos na alta temporada, de outro há a inflação praticada nos últimos meses, que tem ficado pesada para todos os cidadãos. O gaúcho Aélcio Zimmermann que costuma veranear com a família na praia de Enseada é contra a cobrança. "Completamente contra, já tem muito imposto, e se formos pagar até taxa de turista pra entrada na praia aí a gente tá "lascado", teremos de ficar em casa mesmo", reclama. O gaúcho reclama também do trânsito da BR-280, já que não é duplicado e o congestionamento é um "caos". Já a joinvilense Rejane Giesel Tamanini diz ser favorável se for para beneficiar os turistas. "Se for pra melhorar a infraestrutura, se colocarem mais lixeiras, banheiros descentes e  chuveiros eu concordo, caso contrário não", diz Rejane. São Francisco do Sul tem 50 mil habitantes e na época de temporada ganha em torno de R$ 300 milhões, todos usando os serviços públicos. "Por isso precisamos deste incremento", esclarece o prefeito.
Rejane Giesel Tamanini com seu marido Juarez em um dos passeios que as praias oferecem com o Barco Príncipe | Foto Divulgação/Jornal de Joinville