Em Santa Catarina o número de mortes por dengue chegou a 26. De acordo com o boletim da Diretoria de Vigilância Sanitária (Dive), divulgado na sexta-feira (6), 46 municípios estão em estado de epidemia por conta da doença.

O ano de 2022 se tornou o com mais mortes de dengue desde que passou a contabilizar os dados sobre o mosquito Aedes aegypti. No ano de 2021, foram confirmadas sete mortes pela doença. Já neste ano o número é 271% superior.

No boletim, 14 óbitos registrados neste ano, estão sendo investigados e podem ter ocorrido por consequência da dengue.

Sobre os casos, 32.206 pessoas foram diagnosticadas e 20.598 permanecem em observação como casos suspeitos. Quando se comparado com o mesmo período do ano passado, foram confirmados 12.333 casos, houve um aumento de 161% no número de casos confirmados.

26 mortes confirmadas pela doença

  • Abelardo Luz, 74 anos, masculino, autóctone;
  • Abelardo Luz, 80 anos, feminino, autóctone;
  • Ascurra, 66 anos, feminino, autóctone;
  • Blumenau, 94 anos, masculino, autóctone;
  • Brusque, 81 anos , masculino, autóctone;
  • Brusque, 59 anos, feminino, autóctone;
  • Brusque, 64 anos, feminino, autóctone;
  • Brusque, 97 anos, feminino, autóctone;
  • Brusque, 100 anos, feminino, autóctone;
  • Caibi 72 anos, feminino, autóctone;
  • Chapecó, 66 anos, masculino, autóctone;
  • Chapecó, 73 anos, masculino, autóctone;
  • Chapecó, 86 anos, feminino, autóctone;
  • Chapecó, 87 anos, feminino, autóctone;
  • Coronel Freitas, 66 anos, masculino, autóctone;
  • Criciúma, 40 anos, masculino, importado;
  • Guaraciaba, 94 anos, feminino, autóctone;
  • Itá, 72 anos, masculino, autóctone;
  • Itá, 39 anos, feminino, autóctone;
  • Joinville, 65 anos, feminino, autóctone;
  • Maravilha, 82 anos, masculino, autóctone;
  • Palmitos, 82 anos, masculino, autóctone;
  • Palmitos, 78 anos, masculino, autóctone;
  • Palmitos 76 anos, feminino, autóctone;
  • Romelândia, 61 anos, masculino, autóctone;
  • Xanxerê, 51 anos, masculino, autóctone.

Sintomas

A primeira manifestação da dengue é a febre alta (maior que 38°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, além de fraqueza, dor atrás dos olhos, e manchas vermelhas na pele.

A recomendação da Dive é para pessoas que apresentarem esses sintomas procurarem um serviço de saúde.

Prevenção

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica divulgou orientações para evitar a proliferação do mosquito:

  • evite usar pratos nos vasos de plantas - se usá-los, coloque areia até a borda;
  • guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
  • mantenha lixeiras tampadas;
  • deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
  • plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
  • trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
  • mantenha ralos fechados e desentupidos;
  • lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
  • retire a água acumulada em lajes;
  • dê descarga no mínimo uma vez por semana em banheiros pouco usados;
  • mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
  • evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;
  • denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;
  • caso apresente sintomas de dengue, febre de chikungunya ou vírus da zika, procure uma unidade de saúde para o atendimento.

Com inforamções de g1 SC.