O fim do ano está chegando e com ele o entusiasmo por conta dos festejos de natal, férias escolares e de trabalho. Como há o hábito de as pessoas se confraternizarem com maior frequência nesse período, aumenta consideravelmente o volume de resíduos nas residências e nos estabelecimentos comerciais.

Infelizmente, também aumentam os acidentes com os coletores de resíduos e das cooperativas que recolhem e separam os materiais descartados pela comunidade.

De acordo com o diretor presidente do Samae, Ademir Izidoro, na maioria das vezes, os ferimentos ocorrem com objetos pontiagudos ou cortantes, colocados no saco verde ou no lixo comum, sem o devido cuidado.

“Os coletores fazem um excelente trabalho e precisamos protegê-los”, diz.

O técnico em segurança do trabalho do Samae, Antônio Oriél, está muito preocupado. Segundo ele, a situação se repete a cada ano e as consequências são danosas tanto para o funcionário lesionado, como para a empresa que faz a coleta. Os integrantes das cooperativas que separam os resíduos estão igualmente expostos aos riscos.

“A comunidade também é afetada pois o afastamento de um coletor nessa época, atrapalha toda a programação e fica difícil repor um trabalhador devido ao aumento da demanda”, explica.

Oriél recomenda medidas preventivas a serem adotadas pelas pessoas para minimizar os riscos de acidentes.

“Para o descarte de vidros as pessoas podem embrulha-los em jornais ou colocar em uma caixa de papelão. Já os objetos pontiagudos como facas, garfos podem ser colocados dentro de garrafas pet. No caso de seringas com agulhas, elas devem ser entregues na unidade de saúde mais próxima”, recomenda.