Técnicos do setor de drenagem do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de Jaraguá do Sul e os responsáveis pela fiscalização de atividades urbanas do Município reuniram-se, na manhã desta quarta-feira (5), para traçar diretrizes de combate a uma prática comum na cidade: o descarte de materiais inadequados na rede de drenagem.

Foto: Sérgio Luiz/Samae

Segundo o Samae, com certa frequência, a tubulação é obstruída devido ao acúmulo de cimento, areia e diversos materiais utilizados na construção civil, além de gordura vegetal, entre outros.

Na maioria dos casos, o cimento encontrado na rede é proveniente da limpeza de carrinhos de mão e betoneiras, usados em obras. Mas os fiscais já flagraram empresas “concreteiras” despejando o material que sobra ao fim do expediente, direto nas bocas de lobo. De acordo com o Samae, isso causa transtornos e prejuízos consideráveis ao contribuinte.

Em algumas situações, boa parte da tubulação de uma rua precisou ser trocada, devido à obstrução pelo acúmulo de cimento.

“Já houve casos de funcionários de um restaurante despejarem a gordura utilizada no preparo dos alimentos, direto na rede de água pluvial (água da chuva)”, comentou o gerente de drenagem urbana do Samae, Ramirez Bordignon Antunes.

O diretor presidente do Samae, Ademir Izidoro, cobrou providências enérgicas para inibir essa prática.

“Afinal, é o contribuinte quem paga a conta quando precisamos consertar o que alguém danificou e não é identificado. Não vamos admitir esse tipo de prática”, disse.

O chefe de fiscalização de atividades urbanas, Liandro Piske, alerta que se alguém for flagrado descartando materiais nas bocas de lobo, pode ser notificado.

“A multa pode chegar a R$ 20 mil”, enfatiza.

Liandro orientou os servidores do Samae a obterem o maior número de informações sobre as ocorrências.

“De preferência com fotos e vídeos para podermos notificar quem comete tais abusos”, explicou.

Piske recomenda à população que denuncie e registre as situações de uso inadequado das bocas de lobo da cidade.

Coincidentemente, no final da tarde desta quarta-feira (5), uma denúncia levou os fiscais da prefeitura até a Rua Francisco Greter, no bairro Nereu Ramos. Em frente à uma construção, foi verificado que havia cimento em uma boca de lobo. As imagens serão analisadas para que providências sejam tomadas.

Foto: Sérgio Luiz/Samae