O fluxo intenso da SC-108 foi substituído por um enorme buraco na pista. O asfalto da rodovia estadual cedeu e colaborou para o desmoronamento que destruiu casas e retirou moradores da Vila Freitas, em Guaramirim.

A via que já está interditada deve seguir sem trânsito por pelo menos dois meses, alerta o superintendente regional do Deinfra (Departamento Estadual de Infraestrutura), Ademir Machado.

De acordo com ele, o primeiro passo é realizar a radiografia do local e o projeto para reconstrução da pista e de todo o entorno, com o objetivo de evitar novos deslizamentos. “O trecho deve ficar interditado por mais de dois meses, é uma obra que demora, são muitas ações para realizar”, explica.

Na região, está liberado apenas o trânsito local em vias municipais. A rodovia não será aberta para tráfego antes das obras. Para isso, foram projetados desvios pelas rodovias BR-280 e 101.

O superintendente destaca a necessidade dessas ações tanto pelo estrago já causado como pelo risco que ainda existe no local.

“O mais grave de tudo é o que pode estar por vir. Existe o risco eminente de toda a pista ceder. A encosta do barranco está toda rachada”, alerta.

Machado explica que o primeiro serviço que está sendo realizado é o levantamento da situação. O superintende alerta que após a acomodação do solo, a tendência é que novos deslizamentos aconteçam.

“Aparentemente você vê o estrago que está lá e há o estrago que vai acontecer depois da acomodação. Tem muita coisa pra cair”, diz.

Obras dependem de recursos

A rodovia deve passar por diagnóstico, mas Machado adianta que a reconstrução também depende de apoio federal com recursos.

“Toda a preocupação inicial está voltada para segurança dos moradores, a questão do trânsito porque também há risco, a interdição da rodovia e a reconstrução de tudo isso, mas vai depender de apoio do governo federal”, afirma.

Sem ter ainda uma previsão de valor necessário para o investimento, o superintendente destaca que a situação é muito grave e requer estudo detalhado. “Não é simplesmente recuperar a rodovia. É preciso recuperar todo o entorno para evitar problemas futuros”, salienta.

O comerciante Henrique Lemes, no entanto, não acredita que a rodovia seja reconstruída. “Nunca se toma uma providência para essa rodovia e olha que já fizemos abaixo assinado. O máximo que vão fazer é tapar aquele buraco que ficou lá e vai demorar meses”, projeta.

Segundo Lemes, os moradores reivindicam melhorias na SC-108 há anos sem que nenhuma ação efetiva seja realizada.

Com a interdição da via, o tráfego foi interrompido e desvios alternativos estão sendo utilizados pelos motoristas, como pela BR-280 e 101, acessando rodovias estaduais como a SC-415, em São João do Itaperiú, além das rotas urbanas.

Como chegar a Massaranduba e Blumenau?

Pela Ilha da Figueira

Na rua José Theodoro Ribeiro, acesse a rua Carlos Oechsler e siga até se tornar rua Anélio Nicoceli, no bairro Figueirinha, em Guaramirim. A via se liga a SC-108, após o ponto interditado.

Pela Barra do Rio Molha

Na Estrada Rio Molha, após a subida, seguem cerca de dois quilômetros em estrada de chão e vire à esquerda na rua Ribeirão Gustavo. A rua se torna Campinas - Patrimôno, que conecta a SC-108 na entrada de Massaranduba.

Por vias municipais

Pelas estradas Lauro Zimmermann, Bananal do Sul, e Eugênio Devilli, no interior de Guaramirim, é possível se conectar à rua Vandelino Kamer, que é lateral da SC-108.

Pela BR-101

Acesse a SC-415, em São João do Itaperiú, e siga até Massaranduba onde será possível acessar a SC-108.

Pela BR-101

Acesse a SC-407, em Itajaí, para seguir a SC-108 na altura de Blumenau.

Pela SC-110

É possível chegar a Blumenau a partir desta rodovia, passando por Pomerode.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?