Uma das estátuas do Monumento ao Imigrante, do artista Fritz Alt, foi recolocada na praça da Bandeira, nesta terça-feira (27), após passar por um processo de restauração.

A peça de bronze, com cerca de 200 quilos, agora vai ser submetida a um processo para igualar as cores, concluindo o restauro.

 

 

Conforme a prefeitura, foi necessária uma operação delicada para manter a peça intacta, que foi transportada em pé e embalada. Na praça, o caminhão recolocou a estátua no seu local original.

Depois, foi a hora de retirar o plástico da embalagem e a estátua do imigrante, ao lado de outra peça, também representando a imigração, voltou a concepção original do artista.

“A sensação é de dever cumprido, todos da equipe da Secretaria de Cultura fizeram esse trabalho acontecer. A ideia agora é realizar uma limpeza nos outros elementos e igualar os tons. Com a ação do tempo, criam-se manchas, então muitos países optam por homogeneizar. E é o que faremos aqui em Joinville, dentro do critério de restauro”, explica o restaurador Edson Lima.

Durante a operação de transporte e colocação da estátua, as pessoas paravam para acompanhar.

“Essa estátua fazia falta aqui. É importante Joinville cuidar do patrimônio que tem. Neste ano, em que comemoramos 200 anos de Independência do País, temos que lembrar dos nossos imigrantes com respeito”, diz o autônomo Ricardo Lemes.

A escultura representa o imigrante que chegou em Joinville para trabalhar na terra. Ela e o restante do monumento foram entregues à cidade em 1951.

Na época, a obra foi uma encomendada pela Prefeitura para o centenário do município. Esse é considerado o monumento público mais importante de Fritz Alt.

A estátua foi vandalizada duas vezes. Em 2017, retiraram parte da espingarda que o imigrante carregava. Em 2018, removeram o braço que segurava a arma.

Como os vândalos deixaram as peças na praça e elas foram preservadas, por isso, o restauro foi feito com partes originais. A peça apresentava ainda rachaduras na perna e no pé.

Como a arma fazia parte da sustentação, ficou sem estrutura de um lado, o que provocou fratura nas áreas de solda.

A peça foi removida e transportada até o museu. Toda a estrutura interna foi refeita. Também foi feito um reforço estrutural e a junção das partes que estavam soltas, com a soldagem. Por fim, o acabamento com pátina.

“Esse trabalho devolve para a cidade um ícone da história de Joinville”, avalia a restauradora Gessônia Leite de Andrade Carrasco.