Um trabalho delicado e bruto ao mesmo tempo, assim pode ser definida a maneira como é executado o restauro de uma das estátuas do Monumento do Imigrante, do artista Fritz Alt.

São utilizados pincéis, espátulas, pinças e bisturis para alcançar os detalhes, como as nuances das cores. E, ao mesmo tempo, os profissionais utilizam maçarico, solda, andaime e talha.

 

 

A peça de bronze com cerca de 200 quilos está sendo restaurada no próprio Museu Fritz Alt. É a escultura de um imigrante e foi entregue à cidade de Joinville – junto com o restante do monumento – em 1951.

A estátua representa o colono que chegou aqui para trabalhar na terra. Na época, a obra foi uma encomenda da Prefeitura para o centenário da cidade.

“O restauro vai devolver para a cidade um ícone da história de Joinville, é o monumento público mais importante de Fritz Alt”, avalia a restauradora Gessônia Leite de Andrade Carrasco.

A estátua foi vandalizada duas vezes. Em 2017, retiraram parte da espingarda que o imigrante carregava. Em 2018, removeram o braço que segurava a arma. Como os vândalos deixaram as peças na praça e elas foram preservadas, o restauro foi feito com partes originais.

“A estátua tinha várias rachaduras na perna e no pé. Como a arma fazia parte da estrutura de sustentação, quando arrancaram a arma, ficou sem estrutura de um lado e começou a forçar toda a escultura e foi dando fratura nas áreas de solda”, explica Gessônia.

Foto: Prefeitura de Joinville

A peça foi removida em agosto deste ano e transportada até o museu. O restaurador Edson Lima também trabalha na estátua.

“Estamos na fase final do trabalho, na etapa de reestabelecer o acabamento. A peça já foi toda soldada, toda a parte de estrutura interna foi feita. Foi feito esse reforço estrutural e depois a junção das partes que estavam soltas, com a soldagem. Usamos um bronze específico. É um trabalho complexo e a gente sempre procura respeitar todos os aspectos do restauro, da parte técnica. É um trabalho minucioso e a gente tem todo um cuidado e um respeito com o valor da obra”, explica o restaurador.

Em breve, a estátua volta para a praça da Bandeira, como foi concebida pelo artista. Lá, os últimos trabalhos de acabamento serão realizados. Os outros elementos do monumento estão em bom estado, mas vão receber limpeza e uma camada de proteção.

“A gente sabe como é difícil a preservação do patrimônio. Essa iniciativa da gestão mostra para a população o cuidado que está tendo com seu patrimônio”, avalia Edson.