O ensino formal e a oferta de cursos profissionalizantes são os caminhos mais curtos para a reintegração social, coloca a Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa de Santa Catarina (SAP).

Na Casa de Semiliberdade (CSL) de Criciúma, dos oito adolescentes que participaram da seleção para frequentar os cursos oferecidos no Bairro da Juventude, três foram selecionados e estão no Curso de Mecânica Automotiva.

Segundo a SAP, por demonstrar empenho, interesse e força de vontade, outros dois adolescentes foram encaminhados ao mercado de trabalho, por meio do Programa Jovem Aprendiz, para atuar em uma empresa de cerâmica, parceira do projeto.

Os demais adolescentes continuam no ensino regular e participam de oficinas internas da CSL.

"Importante destacar que os cursos ofertados estão identificados com a vocação econômica da região, fator fundamental uma vez que os internos têm seus familiares no Sul Catarinense", observou a SAP.