O prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, o presidente da Unimed Criciúma, Dr. Leandro Avany Nunes, e demais autoridades, acreditam que a “conta” da Covid-19 nas eleições ainda não chegou.

Para o médico, o novo pico foi fruto do relaxamento das medidas de proteção por parte dos cidadãos.

"Foi nos dado o direto de ir e vir, trabalhar, frequentar os lugares, mas algumas pessoas usaram esse direito para realizar aglomerações e festas. Isso ocorreu nos últimos feriados, festas, calor e claro, também será um reflexo da eleição que deve chegar na próxima semana", atribuiu o presidente da Unimed.

Segundo ele, em média 50% dos pacientes que procuram a Unimed tem testado positivo.

“Naquela considerada a primeira onda, nos meses de julho e agosto, nós tínhamos uma média de procura de 100 pacientes por dia e destes, 20% positivavam. No decorrer desta semana, nós tivemos mais de 400 atendimentos no Pronto Atendimento (PA), e desses, 50% que nos procuram estão dando positivo. Com esses dados a gente sabe que de 5 a 12 pacientes serão internados por dia, então até o início da semana deveremos chegar a 100 pacientes internados", prevê.

Calamidade pública

O Governo de Criciúma decretou estado de calamidade pública para enfrentamento da Covid-19.

Segundo o Executivo, a medida foi tomada devido ao aumento de casos de coronavírus e lotação dos hospitais, além da necessidade de monitoramento permanente da pandemia e elevação dos gastos públicos para proteger a saúde da população, “com adoção de medidas drásticas para a contenção do vírus”.

Em reunião na tarde desta sexta-feira, foi repassado aos demais representantes dos municípios da região, que o Centro Retaguarda para pacientes com Covid-19, do bairro Rio Maina, dará suporte aos hospitais nos casos de coronavírus.

O local será destinado para confirmados da doença encaminhados pelos Centros de Triagem, com suporte de alas semi-intensivas.

A Assembleia Extraordinária ocorreu com os prefeitos, atuais e eleitos, da Amrec, no Salão Ouro Negro, do Paço Municipal Marcos Rovaris.

"O aumento da contaminação pela Covid-19 é muito preocupante. O período da eleição ainda não nos atingiu, esse momento é de outros atos da população. Para que a nossa gente não morra nos corredores dos hospitais, queremos usar o hospital do Rio Maina como um espaço para atender os moradores da região. Reconstruímos aquele espaço no começo da pandemia, como um local de isolamento de pacientes que não poderiam ficar em suas casas, mas agora será usado para salvar vidas", ressaltou o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro.

Abrangência

Além das cidades da Amrec, seis integrantes da Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc), que participam do Cisamrec, podem também aderir: Balneário Arroio do Silva, Sombrio, Turvo, Jacinto Machado, Meleiro e Morro Grande.

 

 

 

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul