Doar sangue é um daqueles pequenos gestos que fazem toda a diferença. Apenas uma doação pode beneficiar até quatro pessoas. Neste sábado (25), o Dia do Doador Voluntário de Sangue homenageia quem costuma praticar este ato de solidariedade em prol da vida do próximo. Na unidade do Hemosc de Jaraguá do Sul (Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina), a última semana teve uma programação especial para receber os doadores. Em cada dia da semana, uma panificadora diferente do município foi responsável por enviar o café que seria servido aos que procurassem o local para colaborar com o banco de coleta. Nesta sexta (24), o Hemosc também recebeu a visita dos Doutores Sementinhas, que realizam trabalhos voluntários pelos hospitais da região. Segundo a coordenadora do grupo, Karine Ferreira, os integrantes já frequentam o Hemosc durante o ano para doar sangue. “Nesta data especial, estamos aqui para motivar as pessoas a fazerem o mesmo e conscientizá-las sobre a importância de colaborar com os outros”, explica Karine. No Brasil, atualmente, são doadas cerca de 3,6 milhões de bolsas de sangue por ano, segundo dados do Pró-Sangue. Aproximadamente 1,8% da população doa sangue no país, número que está dentro dos parâmetros, de pelo menos 1%. Mas a taxa está longe da meta da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 3% da população doadora. Conforme a responsável pelo Hemosc, Raquel Ribas, em Jaraguá do Sul a população costuma doar com frequência. Cerca de 30 coletas são realizadas por dia, o que é suficiente para atender aos pacientes da cidade, segundo a responsável. “No mês passado, as doações despencaram. Já conseguimos recuperar, mas os estoques dos tipos A e O negativo ainda estão baixos”, aponta. Segundo a coordenadora, as épocas mais críticas para o Hemosc são no início do inverno e na época de fim de ano, quando as pessoas costumam viajar. “Quando tem campanha de divulgação, o pessoal comparece em peso”, observa ela. Uma das doadoras assíduas da unidade é a auxiliar de produção Sirlei Rodrigues Padilha, 39 anos. Ela relata que passou a doar sangue no ano de 2000, após ser atropelada por um carro e ficar internada em estado grave no hospital. “Eu precisei de sangue para sobreviver. Acredito que é nessa hora que você percebe o valor da vida e como é importante doar, além de ser rápido e não atrapalhar sua rotina”, comenta. Sirlei vai ao Hemosc pelo menos duas vezes por ano. O perfil dos doadores de sangue se mantém estável no país ao longo dos últimos anos. Do total de doadores, 60% são do sexo masculino e 40% do sexo feminino. O maior percentual está na faixa etária a partir dos 29 anos, com 58% do total dos doadores, enquanto as pessoas de 16 a 29 anos representam 42%. Hemosc estará fechado em janeiro O Hemosc de Jaraguá do Sul estará fechado no mês de janeiro em virtude do período de férias coletivas da unidade. Os cinco funcionários terão 30 dias de recesso. A responsável pelo local, Raquel Ribas, destaca que durante o período o estoque de sangue do município será abastecido por outras unidades do Hemosc. “Fazemos parte da Hemorrede, por isso, quando o estoque deixado por nós no fim de dezembro estiver acabando, outras cidades atenderão à demanda. Não vai faltar sangue para os pacientes daqui”, garante Raquel. Quem pode doar No Brasil, pessoas entre 16 e 69 anos podem doar sangue. Para os menores de 18 anos é necessário o consentimento dos responsáveis e, entre 60 e 69 anos, a pessoa só poderá doar se já o tiver feito antes dos 60 anos. Além disso, é preciso pesar, no mínimo, 50 quilos, e estar em bom estado de saúde. O candidato deve estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação e não estar de jejum. No dia da doação, é preciso levar documento de identidade com foto. A frequência máxima é de quatro doações anuais para o homem e de três doações anuais para a mulher. O intervalo mínimo deve ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres. Para doar: faça agendamento pelo telefone (47) 3055-0454.