Separar o lixo e destiná-lo para a reciclagem, gerando emprego e girando a economia para uma centena de famílias que trabalha em seis cooperativas em Jaraguá do Sul.

Esta ação teve um crescimento significativo e, segundo o Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto), o índice de coleta seletiva no município saltou de 7% em fevereiro para 22% em outubro.

Para o presidente da autarquia, Ademir Izidoro, a volta da entrega do saco verde foi fundamental para o aumento significativo no índice, mas ele adianta que a pretensão é aumentar o número até dezembro de 2019. A meta, explica, é chegar a 30% até o final do próximo ano.

“É muito importante a reciclagem que a gente faz hoje no município de Jaraguá e a entrega do saco verde foi muito importante para alterar o número que era de 7% lá em fevereiro e atingirmos 22%, mas a nossa meta é bater 30% até final de 2019. É uma tarefa muito difícil, mas vamos trabalhar para isso”, garante.

Entre as ações planejadas para melhorar o índice estão o incremento na entrega do saco verde, visitas às residências, materiais explicativos entregues em escolas e nos bairros, aponta. Izidoro ressalta a importância de ter índices cada vez maiores, fomentando a economia cooperativa.

“Temos muito para fazer no sentido de aumentar essa reciclagem porque é muito importante para as famílias que dependem dela. Hoje, temos seis cooperativas independentes e cerca de 100 famílias que dependem disso, então, precisamos fazer com que essa reciclagem fique dentro de Jaraguá”, salienta.

Economia de recursos públicos

Além da reciclagem, o presidente ressalta que a coleta seletiva é um método eficaz de reduzir os custos envolvidos com o serviço, uma vez que, realizando o trabalho de reciclagem, o volume de lixo destinado ao aterro diminui e, consequentemente, o valor investido no transporte também.

“Quanto mais reciclarmos, menos o Samae vai pagar para a empresa que leva para o aterro. Tudo isso melhora”, diz.

Para Izidoro, três ações foram fundamentais para o resultado e precisam ser ainda mais reforçadas para se chegar à meta de 30%: saco verde, orientação às cooperativas e conscientização da população.

“É importantíssimo continuar fazendo com que a educação seja fator determinante, assim vamos ser mais uma vez um município de ponta no que diz respeito a saneamento básico”, ressalta.

A entrega do saco verde é realizada uma vez por mês nas residências que já fazem reciclagem, mas o presidente do Samae enfatiza que todos os interessados em recebê-lo podem entrar em contato com o Samae, Fujama ou Prefeitura e solicitar a entrega. “No dia seguinte, ele irá receber”, garante.

--

Quer receber as notícias no WhatsApp?