Um talento quando é cultivado desde criança pode se tornar companhia para a vida toda.

É assim que aconteceu com a psicóloga hospitalar do Hospital São José, de Criciúma, e mestre em saúde coletiva, Fernanda de Souza Fernandes.

Desde pequena, o contato com a música fez com que ela desenvolvesse ainda mais o talento e pudesse compartilhar experiências que marcariam toda a sua trajetória de vida.

Mais do que isso, o que era uma paixão fora do ambiente de trabalho, tornou-se uma ferramenta utilizada por ela nas funções que desempenha no HSJosé.

Fernanda descobriu que, pelo canto, pode aliviar os problemas, não só dela, como também daqueles que precisam da instituição de saúde.

“A música é uma influência forte que recebi da minha família materna. Na infância, já cantava em coral escolar e aos nove anos comecei carreira profissional solo. Cantei em eventos da sociedade do Sul catarinense, programas de televisão locais (Show da Viola, Atualitá, entre outros.) Além disso, cantava em festas comemorativas da nossa cidade e região, (Quermesse, Festa de Santa Bárbara, Festa de São José)”, explica a psicóloga.

No entanto, foi aos 22 anos que vivenciou uma grande experiência.

“Participei do programa Popstar do SBT, que realizou um reality show para a seleção da banda Rouge. Nas seleções que ocorreram durante quatro meses, seis mil candidatas foram avaliadas e, após sete eliminatórias, fiquei entre as 60 selecionadas. Nas próximas três avaliações foram conhecidas as cinco cantoras do Brasil que se encaixariam no perfil para a banda. Após minha última eliminatória retornei para casa decidida a reorganizar minha carreira mantendo a música em minha vida, mas de outra forma”, conta a profissional.

Profissional

“Comecei a ensinar técnicas vocais na Fundação Cultural de Criciúma e continuei cantando profissionalmente chegando a fazer parte da Banda Studium 7. Em seguida ingressei para a faculdade de psicologia, o que reforçou minha certeza de que a música pode ser alento, remédio e alimento para a alma”, complementa.

Música como parte do trabalho

Atualmente, a música integra a rotina de trabalho de Fernanda no hospital.

“Ela faz parte do que desenvolvo dentro da instituição. Participo de grupos voluntários, como o @Sarahcurah que nasceu das minhas práticas com as crianças hospitalizadas. Também criamos uma parceria querida que surgiu dentro do HSJosé, com duas profissionais: a Vanessa Cardoso e a Camila Medeiros e, vez ou outra, em trio, cantamos pelos corredores do nosso hospital. Participo também de outros grupos informais com colegas e amigos para cantar em celebrações religiosas”, enaltece.

De acordo com a psicóloga, a grande alegria é de conseguir aliar o trabalho com a música.

“A música é parte de mim, fortalece-me, conecta-me com Deus. Ela é alento, acalento e alimento para minha alma, ao passo que é também uma das formas de me expressar no mundo. Ela é uma das linguagens da alma e creio que, por isso, para mim é tão preciosa. Por estar a meu alcance, é a favorita”, aponta.

Fotos: Divulgação


Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul