A Corregedoria-Geral do Ministério Público do Estado está avaliando o teor de um vídeo em que o promotor de Justiça, Jonnathan Agustus Kuhnen, que atua em São José, na Grande Florianópolis, faz comentário a respeito da violência doméstica contra as mulheres durante uma aula de doutorado de uma universidade de Lages.

No vídeo de 29 segundos que circula nas redes sociais, o membro do MPSC afirma, entre risos, que “a mulherada está apanhando pra c*” durante o período de isolamento social imposto pela pandemia.

Em outro trecho, Kuhnen afirma se tratar de “uma situação sui generis”, porque “o cara está em casa direto, aí qualquer coisinha é motivo pra..né?”.

Em nota, o promotor de Justiça afirma que em momento algum quis incentivar ou fazer graça da violência contra a mulher e pede desculpas.

Confira a íntegra da manifestação:

“Em momento algum quis incentivar ou fazer graça da violência contra a mulher. Muito pelo contrário. Estávamos conversando informalmente durante uma aula, da qual sou aluno, sobre o tema, e eu deixo claro que essa situação me entristece. Mas se de alguma forma a minha fala e o meu jeito de tratar o assunto ofendeu alguém, peço sinceras desculpas. Repito, não foi minha intenção de forma alguma incentivar ou menosprezar a violência contra a mulher. Em tempos de pandemia bem sabemos que muitas mulheres sofrem calada dentro de casa. É preciso denunciar, violência doméstica é crime. Tenho 22 anos de Ministério Público e em nenhum momento sofri qualquer sanção ou penalidade. A minha atuação na comarca de São José é reconhecida pelo combate à violência em todos os sentidos, inclusive contra a mulher. Reitero minhas sinceras desculpas se de alguma forma desrespeitei alguém.

Promotor de Justiça Jonnathan Agustutus Kuhnen”

Fonte: JusCatarina


Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul