Foto Eduardo Montecino/OCP News
Foto Eduardo Montecino/OCP News

No consciente popular, quando falamos de terceira idade, imaginamos avós fazendo crochê ou tricô, sentados em cadeiras de balanço vendo a vida passar. A realidade, porém, é que os integrantes da terceira idade até podem tricotar, mas definitivamente não querem ver a vida passar sem fazer nada.

Esses novos velhinhos investem em atividades lúdicas e exercícios físicos para obterem uma melhor qualidade de vida. Alguns projetos em Jaraguá do Sul vão de encontro com a vontade de experimentar e fazer mais dessa parcela da população. Este é o caso da iniciativa de artes cênicas que está sendo desenvolvida na Sociedade Cultura Artística (SCAR), em Jaraguá do Sul.

De acordo com o produtor cultural Maykon Junkes, o projeto do grupo teatral "Eternos Aprendizes" é voltado para pessoas com mais de sessenta anos. "O teatro para a maior idade iniciou no mês de maio e estamos bem no comecinho deste trabalho. É muito gratificante poder atuar com este público", avalia.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Quando a quarta-feira chega, dia em que as aulas acontecem, Ivone Comprado Ribas, 69 anos, sabe que este será um dos dias mais produtivos da semana. "É uma experiência magnífica. No fim de cada aula, já sinto saudades e bate um desânimo ter que esperar até a próxima semana", brinca.

Tímido, o aposentado Marcílio Luiz Legal, 65 anos, encontrou no teatro uma forma de se relacionar melhor com as pessoas. "Eu sempre tive curiosidade de interpretar personagens, então essa oportunidade que surgiu foi um empurrão para quebrar meus paradigmas pessoais", conta.

Apresentações pela cidade

Apesar dos esteriótipos que a terceira idade enfrenta, Ivone, Marcílio e outros idosos estão descobrindo novas maneiras de aproveitar a melhor idade, abandonando o modelo de velhice tão estigmatizado.

Em novembro, o grupo vai realizar apresentações teatrais nos palcos da Scar e em alguns pontos do município. "Estamos iniciando os trabalhos e praticando atividades para que eles primeiro se soltem", explica a diretora Nicoli Pereira.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

O enredo da peça ainda estar sendo desenvolvido, mas a instrutora revela que o tema abordado será o futuro dos idosos. "Queremos quebrar esteriótipos para acabar com essa visão que as pessoas têm do idoso ser um senhorzinho sem disposição que anda todo encurvado", pontua.

Com o roteiro finalizado, texto na ponta da língua e disposição para substituir os palcos da vida pelo tablado do teatro, os artistas também terão a oportunidade de se apresentar nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras).

Lourdes Bernadete, 62 anos, conta que se apaixonou pelas aulas. "Faço isso por amor e para se sentir melhor comigo mesma. Não tenho a intenção de me tornar uma atriz famosa", ri.

Teatro como terapia

De acordo com Nicole Pereira, a arte cênica possibilita o estímulo da memória, criatividade e melhora a relação dos idosos com as pessoas. "O teatro trabalha a autoestima e permite que eles  contem histórias através das experiências que já viveram", garante.

Para Lourdes, as amizades feitas durante as aulas serão levadas para a vida. Segundo ela, a proximidade dos participantes foi essencial para as aulas. "Aqui todo mundo brinca e se diverte, mas, ao mesmo tempo, aprendemos muito", declara.

O projeto de aulas de teatro para idosos é realizado por meio do Fundo Municipal do Direito do Idoso e é totalmente gratuito.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?