Estudantes, pais, professores, direção, comunidade. Todo mundo dividindo o mesmo espaço, o espaço destinado ao conhecimento. Esse é o cenário que os jaraguaenses irão encontrar neste sábado (7) em diversas unidades, como a Escola de Educação Básica Valdete Inês Piazera Zindars. Instituído em 2016, por meio de lei estadual, o Dia da Família na Escola mobiliza Santa Catarina e tem como objetivo mais do que aproximar comunidade e a instituição de ensino, visa fortalecer os laços entre pais e alunos, fazendo com que essa integração impacte diretamente na educação e no futuro de crianças e jovens. Para o pai e presidente da APP (Associação de Pais e Professores) Antônio Piasson, família e escola têm papéis distintos na formação, mas precisam estar conectadas para o desenvolvimento de crianças e jovens. “Pesquisei hoje de manhã e, no Brasil, 46% dos pais e responsáveis por crianças em idade escolar dizem não ter tempo suficiente para a educação dos filhos. Eu acho que o tempo somos nós que fazemos. Se você tem a sua família, tem os seus filhos, você educa e a escola ensina, mas a participação da educação que vem de casa para a escola é de fundamental importância porque se eu não educo meu filho em casa, ele não vai aprender na escola nem pela maior insistência e a participação dos professores”, avalia. Com três filhos em idade escolar e frequentando a escola Valdete Piazera, Piasson enxerga os eventos que chamam a família à participação de fundamental importância como forma de aproximação e, mais do que isso, para incentivar a família a se envolver mais diretamente na educação dos filhos. “O comprometimento familiar é fundamental para o desenvolvimento do aluno. O teu filho sentir a tua presença é essencial. A partir do momento que ele sente que você está acompanhando os passos, ele também se dedica mais, se esforça mais, porque a cobrança em casa existe”, diz. “Os pais precisam estar preparados para auxiliar seus filhos nas suas escolhas profissionais, por isso é fundamental fortalecer o vínculo entre família e escola”, destaca. Com o suporte de casa, os filhos de Piasson já estão traçando o futuro profissional. O mais velho, André Henrique, 18 anos, está a um passo do vestibular. No chamado “terceirão”, definiu a contabilidade como sua área de atuação. Aos 15 anos e no 2º ano do ensino médio, Lucas Matheus também já definiu em qual área pretende dedicar seus esforços: quer ser militar. Além dos dois garotos, a filha também estuda na mesma escola. Frequentando o 8º ano, Victória Antônia se prepara para também decidir qual carreira seguir. PARTICIPAÇÃO FAMILIAR INFLUENCIA O FUTURO  Para a diretora da escola, Angelita Wanderwegen, os pais, por vezes, pecam em pensar que só têm a função de cobrar dos filhos o bom desempenho escolar, sem admitir que a participação familiar influencia não apenas no resultado de notas, mas no futuro desses estudantes. “A gente às vezes peca por pensar que o pai só tem a função de cobrar, mas a função é de acompanhar. Quando eles sentem a importância que o pai dá para um evento da escola, eles se sentem acompanhados e prestigiados nas atividades que desenvolvem. Mais do que cobrar, é necessário acompanhar, se fazer presente no dia a dia dos filhos”, afirma. Ela explica ainda que o objetivo da ação é resgatar justamente a presença familiar na escola. A atividade na instituição está marcada para iniciar às 8 horas. Serão desenvolvidas aula de ritmos, festival de futsal entre pais e filhos, oficinas de biscuit, feltro, RPG e oficina de reflexão sobre a família ministrada pela professora de filosofia.