O ano de 2018 será bastante intenso no 62º Batalhão de Infantaria de Joinville. É que no próximo dia 10 o “Nosso Batalhão” celebra cem anos de atuação na cidade. Para marcar a data uma série eventos está sendo preparada. As atividades comemorativas começam nesta quarta-feira (7) e seguem até o dia 20 de outubro. Nesta quarta a banda do 62 BI apresenta um grande concerto no Teatro Juarez Machado, em Joinville. A atividade é aberta ao público e tem início às 20 horas. No sábado (10), dia do centenário as Forças Armadas promove uma cerimônia na Liga da Sociedades, a partir das 15 horas. O local é o mesmo em que o 61 foi fundado em 10 de março de 1918, data que o primeiro contingente de militares do então 13º Batalhão de Caçadores desembarcou na estação de trem e se estabeleceu provisoriamente na Liga. Ainda este mês, no dia 27, a Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, realizará Sessão Solene em alusão ao centenário da instalação do 62º BI em Joinville. Na referida cerimônia, serão homenageadas algumas entidades e personalidades que fizeram parte da história do batalhão. Até outubro, mês em que se comemoram os 225 anos da criação do 3º  Regimento de Infantaria, unidade do Exército Nacional que deu origem ao 62º BI, diversos eventos vão marcar o ano do centenário. O encerramento das comemorações está previsto para 20 de outubro com formatura e concerto da Banda Sinfônica do Exército. Um resumo da história A origem do 62º Batalhão remonta ao Regimento de Moura, destacado em 1767 pela corte portuguesa para combater os invasores estrangeiros que ameaçavam a então colônia lusitana. Em decorrência das evoluções administrativas em terras brasileiras, no dia 23 de outubro de 1793, o Regimento de Moura deu origem ao 3º Regimento de Infantaria, uma das primeiras unidades do Exército Nacional, embrião do 62º Batalhão de Infantaria. Em 1852, ainda decorrente de evoluções administrativas do Império, o 3º Regimento de Infantaria passou a se chamar 9º Batalhão de Caçadores, um dos principais atores da Guerra da Tríplice Aliança. A batalha do Avaí, em especial, marca importante fato histórico: a morte do Tenente Coronel Francisco de Lima e Silva, então comandante do 9º Batalhão de Infantaria, hoje Patrono do 62º BI. No dia 10 de março de 1918, o batalhão chegou a Joinville, denominado 13º Batalhão de Caçadores do 5º Regimento de Infantaria. Ocupou inicialmente o prédio da Liga da Sociedade. Quatro anos depois, em 1º de outubro de 1922, instalou-se na sua atual sede. Nos anos seguintes o 13º BC tomou parte na Campanha do Contestado, na Revolução de 1924 (em São Paulo) e na Revolução de 1930. Também teve participação importante na composição da Força Expedicionária Brasileira, em 1944, ao enviar soldados para Segunda Guerra Mundial. Na década de 1960 enviou parte de seu efetivo para compor o Batalhão Suez, primeira Força de Paz da Organização das Nações Unidas no Oriente Médio. A denominação para 62º Batalhão de Infantaria só ocorreu em 1972. E foi com essa nova denominação que, nos anos 1990 foi destacado para o continente africano, constituindo mais uma vez uma Força de Paz da Organização das Nações Unidas, agora em Angola. Força de Ação Rápida Transformado em Força de Ação Rápida do Comando Milita do Sul, em 2000, o Batalhão Francisco de Lima e Silva passou a receber prioridade no recompletamento de seus efetivos, bem como modernos equipamentos e armamentos, com a missão principal de se desdobrar a qualquer momento e, em curto espaço de tempo, no território dos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Com essa nova formação, o 62º BI integrou a Operação Arcanjo 3, missão de Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha, no Rio de Janeiro, em 2011. Também compôs parte do efetivo das tropas brasileiras destacadas no Haiti, nos anos de 2010 e 2012. Nos anos de 2014 e 2016, o “Nosso Batalhão” voltou a contribuir com a segurança da capital fluminense integrando a Força de Pacificação do Complexo da Maré, da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos, respectivamente. Neste ano, quando o 62º Batalhão de Infantaria - Batalhão Francisco de Lima e Silva celebra 225 anos, está sob o comando do Tenente Coronel de Infantaria Reinaldo Sótão Calderaro. É composto por 850 militares, sendo um dos Batalhões subordinados à 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, que é comandada atualmente pelo General de Brigada Ricardo Miranda Aversa, sediada em Florianópolis.