Em março de 2017, a jovem Schanaya Laube Fagundes nem imaginava que em apenas dois anos deixaria o uniforme de aprendiz para exercer um cargo de confiança na empresa em que entrou, pela primeira vez, com 17 anos.

Embora já tivesse dois anos de estrada no Programa Jovem Aprendiz, Schanaya conta que a experiência iniciada há dois anos foi e continua sendo fundamental em sua trajetória pessoal e profissional.

Trabalhando no setor de compras do Supermercado Brasão, no Rau, ela, que hoje tem 19 anos, é só elogios ao programa que se mostra como uma alternativa importante para os jovens aliarem capacitação e experiência.

“A melhor parte, acredito, é que o jovem aprendiz além de conseguir um emprego que ajuda financeiramente, acaba também se qualificando. Além disso, essa experiência ajuda a decidir o caminho profissional que o jovem irá seguir”, afirma.

O Programa Jovem Aprendiz além de fortalecer a relação capacitação e profissionalização, é uma porta pela qual uma boa parcela da população pode entrar no mercado de trabalho. Um mecanismo importante para um público que sofre com a taxa de desemprego.

De acordo com os dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), entre a população de 18 a 24 anos, 3,946 milhões estão desempregados, o que corresponde a um percentual total de 11,6% em 2018.

A taxa de desemprego entre os mais jovens é ainda mais alta. Os dados apontam que 40,3% dessa faixa estão sem ocupação, o que corresponde a 975 mil pessoas.

Buscando minimizar esse impacto, o programa leva jovens ao mercado de trabalho enquanto também o prepara e qualifica. Para Gabriela Guadalupe Jungton, 18 anos, que está no Jovem Aprendiz desde os 15, o programa é fundamental porque auxilia, incentiva e impulsiona a maturidade do adolescente.

“O programa te incentiva a estudar, você cria uma maturidade, busca evoluir, não quer ficar estacionado”, conta ela que hoje trabalha no Colégio Bom Jesus e faz faculdade de administração.

A escolha profissional também passa muito pela experiência vivida no programa, garante Schanaya. “Sinto que isso é muito importante porque pode fazer despertar o interesse por diversas áreas e descobrir o que realmente se quer em um momento onde existem muitas dúvidas”, diz.

Para Gabriela, se não fosse o programa, as chances de ela estar empregada hoje seriam baixas.

“Eu acredito que estaria desempregada porque temos um índice muito alto e eu não teria nenhuma experiência. Foi a partir do programa que comecei a ter mais responsabilidade, pensar no futuro, levar a vida mais a sério. Sempre quis ser independente e o programa me possibilitou isso”, finaliza.

CIEE tem 53 jovens contratados pelo programa

Desde 2006 a regional de Jaraguá do Sul do CIEE (Centro Integração Empresa Escola) realiza contratos pelo Programa Jovem Aprendiz e, de acordo com a coordenadora da agência, Roberta dos Anjos Moreira, já foram assinados 437 jovens. Atualmente, informa ela, há 2.170 cadastros a espera de vaga tanto de aprendiz como de estágio.

No município são 52 empresas parceiras do programa que oferta os cursos de rotinas administrativas, logística, linha de produção, bancário e supermercado/comércio. As aulas acontecem nos períodos matutino e vespertino.

“A empresa contratando o jovem para trabalhar no período matutino, por exemplo, das 8h às 12h esse jovem deverá vir ao CIEE para ter aula seis vezes por mês, no mesmo período que trabalha, sendo assim nesses seis dias que ele estará no CIEE ele não trabalha na empresa”, explica.

Atualmente, conta Roberta, há apenas duas vagas para o programa. “As poucas vagas que conseguimos disponibilizar são muito concorridas, por isso não ficam abertas por muito tempo”, ressalta. As oportunidades são para as áreas administrativa e de limpeza de filtro de ar.

Para a coordenadora, a oportunidade faz com que o jovem consiga ter um ótimo desenvolvimento profissional e humano.

“Eles literalmente mudam dentro de casa, isso os pais ou responsáveis nos relatam. Nossa cidade tem muito a ganhar dando essa oportunidade para os jovens, é o inicio do futuro deles, e porque não as empresas da região participarem desse crescimento?"

"Eles são o futuro, só temos a ganhar investindo tempo, dedicação e atenção. Só assim, através da educação e do trabalho que podemos auxiliar para que o futuro deles seja promissor e de sucesso, que eles se tornem pessoas com bons princípios e virtudes, que consigam assim discernir o certo do errado”, salienta.

Para realizar a inscrição, basta ir até o CIEE com o código da vaga, que é divulgada no site, e retirar a carta de encaminhamento.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?