Com 50 hortas comunitárias espalhadas por 22 bairros jaraguaenses, o Programa Germinar, criado há quase meia década pela Secretaria de Desenvolvimento Rural e Abastecimento da Prefeitura de Jaraguá do Sul, tem se demonstrado uma iniciativa de sucesso.

“A iniciativa das hortas comunitárias na nossa cidade pode parecer algo simples à primeira vista, mas se observar atentamente é um programa que cria um senso de comunidade entre vizinhos estreitando laços cada vez mais raros nos dias de hoje”, comentou o secretário de Desenvolvimento Rural jaraguaense, Marcos Voltolini.

De acordo com o coordenador do Programa Germinar, Wilmar Roweder, outras duas hortas deverão ser implantadas nas próximas semanas nos bairros Nereu Ramos e Três Rios do Norte. O Programa Germinar estabelece que deve haver pelo menos seis famílias da comunidade, de um determinado bairro, para fazer uma horta comunitária.

“Por meio do presidente Associação de Moradores é enviado um ofício para nós da Secretaria iniciarmos o processo. Segue-se então os trâmites legais para fazer a implantação”, explicou Roweder. “A partir de então, damos o suporte total, do início ao fim", complementa.

A Secretaria prepara todo o terreno, faz a roçada, passa o arado, rotativa e deixa os canteiros prontos. Fornece ainda material como palanques, telas, insumos e as mudas. A parte operacional, como o plantio e a manutenção e distribuição fica pela coordenação dos próprios moradores. “Desta forma, as hortas comunitárias trazem benefícios que vão além dos canteiros e invadem a casa das famílias, promovem a saúde de seus integrantes e a inclusão social além é claro, da segurança alimentar”, ponderou o secretário Marcos Voltolini.

Para Voltolini, os voluntários que trabalham nas hortas se beneficiam do exercício, da luz do sol, bem como do alívio do estresse. “Aprendem como as plantas crescem e têm uma atividade de cuidado dessa plantação o que traz novos estímulos, tanto físicos quanto mentais.”

Livre do estresse

O comerciante Ademar Antônio Ricardo concorda com o pensamento do secretário. “Quando estou aqui saio totalmente do estresse. Tanto é que minha esposa é quem toca mais nosso comércio”, sorriu. Hoje, ele é o “presidente” da horta que congrega 32 famílias no bairro Tifa Martins.

O espaço, uma antiga pracinha da Prefeitura, se desenvolveu tanto que conta até com um tanque para a criação de peixes para consumo das próprias famílias. “Nossa ideia é, até dezembro, fazer um quiosque de madeira aqui para que os participantes das hortas possam se confraternizar e quem, sabe até comer um peixinho junto com as verduras produzidas aqui”, projetou o coordenador da horta.

A aposentada Angela Maria Vieira lembra que antes de virar uma horta comunitária o local era frequentado por usuários de drogas, o que trazia uma certa insegurança aos próprios moradores. “Acredito que todo o terreno baldio na nossa cidade deveria virar uma horta comunitária para que as famílias ocupem esses espaços”, argumentou.

Papel social

Mas não é apenas onde são implantadas que as hortas do Programa Germinar exercem um importante papel social. “As mudas de hortaliças utilizadas nestes espaços são produzidas no Galpão da Prefeitura em frente ao Presídio Regional de Jaraguá do Sul, no bairro Jaraguá 84. Lá temos dois apenados que trabalham em tempo integral na produção dessas mudas”, explicou o coordenador do Programa Germinar, Wilmar Roweder.

“São hortaliças em geral como alface, repolho, couve-rábano, couve-flor, brócolis, cenoura. Temos também pepino, berinjela e assim por diante”. Esta parceria com o Sistema Prisional também possibilita aos detentos a chance de trabalhar e diminuir parte de sua pena.