O colorido dos ipês, manacás e extremosas começam a dar vida para as paisagens centrais de Jaraguá do Sul. Até dezembro, o programa de arborização da Prefeitura pretende plantar três mil novas árvores no município. A meta é chegar ao número de 20 mil durante os próximos quatro anos. A substituição gradativa está acontecendo em determinados pontos da cidade, como na avenida Marechal Deodoro da Fonseca, onde foram retiradas quatro árvores antigas no mês de julho. Em toda a extensão da via, outras 20 mudas da espécie extremosas também foram plantadas. Conforme o secretário de Obras Onésimo Sell, a ação é necessária porque as árvores cultivadas anteriormente não foram podadas corretamente ao longo dos anos e os galhos ameaçam atingir a fiação elétrica. Além disso, as raízes invadem a tubulação, danificam as calçadas e a pavimentação.
No início da Procópio, os moradores já podem observar a beleza dos 30 ipês amarelos plantados em 2014| Foto Eduardo Montecino/OCP
As novas espécies que estão sendo plantadas foram escolhidas devido ao desenvolvimento de suas raízes, que crescem para baixo, no sentido vertical, e evitam danos à infraestrutura. As extremosas colocadas na Marechal, por exemplo, possuem fácil manutenção e contam com uma copa maior, proporcionando sombra nos dias de calor para a população. Já os ipês, assim como os manacás, destacam-se pela beleza de suas florações. De acordo com o chefe de jardinagem do setor de Obras, Adilson Schpak, foram plantados 33 manacás entre o final da Coronel Procópio Gomes de Oliveira e início da José Theodoro Ribeiro. No início da Procópio, os moradores já podem observar a beleza dos 30 ipês amarelos plantados em 2014. A espécie tem período de floração entre julho e setembro. A rua Rinaldo Bogo também deve receber cerca de 70 árvores nos próximos dias. Nesta quinta-feira (17) foi dia de plantio de pouco mais de 30 árvores no entorno do Museu da Paz. Outros pontos que estão incluídos programa são a Praça Ângelo Piazera, com oito mudas, o viaduto da Avenida Prefeito Waldemar Grubba, com cerca de cem árvores distribuí- das nas suas laterais, e os arredores da Apae, no bairro Centenário. Segundo Schpak, o cronograma de ruas contempladas ainda está sendo definido, mas deve priorizar as áreas centrais. “É necessário analisar se convém ou não a retirada das atuais e qual seria a melhor espécie para o local. Como os pés novos precisam ser molhados diariamente nos primeiros 30 dias, também há uma questão de demanda de equipe e maquinário para dar continuidade à ação”, avalia o chefe de jardinagem.